Foto/Reprodução? Internet

Nesta quinta-feira, 7 de Janeiro, o YouTube comunicou que canais que publicarem vídeos com desinformação sobre as eleições americanas serão punidos e vedados, ou seja, não poderão fazer novos envios por uma semana.

Segundo a plataforma de compartilhamento de vídeo, a diligência vale para qualquer perfil, inclusive o do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A decisão foi tomada após a invasão de apoiadores de Trump ao Congresso.

No mês de dezembro, o YouTube atualizou suas políticas para incluir regras de remoção de vídeos que alegam fraudes nas eleições americanas, mas não exercia outras punições além de tornar o conteúdo indisponível.

“Durante o último mês, nós removemos milhares de vídeos que espalharam desinformação argumentando que fraudes generalizadas mudaram os resultados das eleições de 2020, incluindo diversos vídeos que o Presidente Trump publicou em seu canal”, pronunciou-se o YouTube em um comunicado.

Segundo as políticas da plataforma, um canal pode ser encerrado se infringir as regras de uso. A cada violação, a conta recebe um “strike” – um tipo de aviso e punição.

O 1º “strike” impede a conta de enviar novos vídeos por uma semana, além de outras restrições. Se uma conta receber uma nova punição dentro de 90 dias, a publicação de conteúdos fica restrita por duas semanas. E, após 3 “strikes”, o canal é derrubado definitivamente.