Em período de final de ano, com feriado prolongado, é comum os tutores viajarem com seus pets. Porém é fundamental ter alguns cuidados para que seu bichinho tenha uma viagem tranquila e sem riscos.

Por exemplo,  é importante que o tutor leve os documentos de seu pet, incluindo o cartão de vacinação e vermifugação. “ Em alguns locais isso é solicitado, especialmente em viagens de avião. Além disso, caso o animal precise de atendimento veterinário, o profissional da área poderá conhecer melhor o histórico dele, facilitando o atendimento”, explica o veterinário e  professor do curso de Medicina Veterinária da UNINASSAU Fortaleza, Dowglish Ferreira.

No interior do transporte, o tutor deve estar atento à segurança do pet. O animal deve usar cinto de segurança ou caixa de transporte diretamente amarrada ao cinto. “Jamais deixe a caixa solta, pois pode ocasionar acidentes”, alerta o profissional. Em viagens longas, é recomendável dar pausas e oferecer água e comida ao pet.

Apesar de alguns tutores terem o hábito, transportar animais no banco da frente, à esquerda do motorista ou entre os braços e pernas é considerado infração média e pode gerar multa, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro.

É importante que o tutor confira a malinha de seu pet, e leve elementos como ração, água, caminha, coleira , tapete higiênico ou jornal para as necessidades do cão; no caso do gato, levar a caixinha de areia, além de brinquedinhos, ursinhos e a sacolinha para recolher as fezes.

Já no local da viagem, os cuidados continuam. O animal deve utilizar coleira com identificação e repelente, não ter sua alimentação alterada e é importante que o ambiente seja tranquilo e com espaço para ele brincar. “Todas essas medidas ajudam para que seu bichinho tenha dias felizes e sem estresse. Lembrando que, em caso de necessidade de uso de medicamento, somente deverá ser feito com a orientação de um médico veterinário”, recomenda o professor.

Foto: Reprodução/ Internet