Foto - AFP

O senador Chico Rodrigues (DEM) tentou esconder dinheiro dentro da cueca durante uma operação policial que investiga o desvio de recursos públicos destinados a combater a pandemia do novo coronavírus no norte do país.

Como consequência do flagrante, Rodrigues foi dispensado do cargo de articulador político do governo de Jair Bolsonaro no Senado Federal a pedido do próprio senador, conforme um despacho assinado pelo presidente e publicado em uma edição extraordinária do Diário Oficial.

Rodrigues foi alvo na quarta-feira de uma busca em sua casa de Boa Vista, capital do estado de Roraima, do qual é representante.

A Polícia Federal (PF) encontrou cerca de R$ 30.000 em dinheiro e uma parte das notas teria sido encontrada dentro da roupa íntima, inclusive “entre suas nádegas”, relatou a imprensa, citando fontes envolvidas na investigação.

Questionada pela AFP, a Polícia Federal se limitou a dizer que a operação buscava desarticular um “possível esquema criminoso de desvio de recursos públicos” destinados a combater a pandemia no estado de Roraima.

A Polícia Federal “cumpriu sua parte em fazer buscas em uma investigação na qual meu nome foi citado”, reconheceu Rodrigues em nota, sem mencionar onde as notas foram encontradas.

“No entanto, tive meu lar invadido por apenas ter feito meu trabalho como parlamentar, trazendo recursos para o combate à covid-19 para a saúde do estado”, acrescentou o senador, que afirma ter um “passado limpo” e confiar na Justiça para esclarecer o ocorrido.

Pela manhã, o presidente Bolsonaro tentou desvincular seu governo do episódio.

“Parte da imprensa [está] me acusando de o cara [Rodrigues] ser meu amigo, [que] eu [o] coloquei como vice-líder, [que] em consequência eu não combato a corrupção”, se queixou Bolsonaro diante de apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, em Brasília.