Moscou (AFP) – O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou nesta quarta-feira (13) que seu país pretende atingir a neutralidade em emissões de carbono até 2060, uma estratégia mais ambiciosa do que a mostrada até agora e que é anunciada às vésperas da COP26. “Na prática, a Rússia se esforçará para alcançar a neutralidade de carbono em sua economia. E estabelecemos uma meta concreta: no mais tardar até 2060”, disse o presidente durante um fórum de energia em Moscou. Com isso, Rússia e China passam a compartilhar o mesmo objetivo nesta questão. No início de outubro, o jornal Kommersant já havia relatado que o governo russo estava finalizando os detalhes de uma nova estratégia ambiental, com medidas mais fortes para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. Segundo esse plano, divulgado pelo jornal russo, Moscou buscaria reduzir suas emissões em quase 80% até 2050, principalmente com o abandono progressivo do carvão como fonte de eletricidade e dando mais peso à energia nuclear, entre outras medidas. A Rússia é um dos principais países produtores de hidrocarbonetos do mundo, e grande parte de sua economia depende da extração mineral. Putin é conhecido por suas posições “céticas” sobre a mudança climática e já declarou que seu país se beneficiaria do aquecimento global. Recentemente, revisou seu discurso e se mostrou alarmado com as catástrofes naturais, como os incêndios que arrasaram parte da Rússia neste verão (inverno no Brasil). Este ano, Putin também participou de uma cúpula organizada pelo presidente americano, Joe Biden, e afirmou seu interesse em lançar uma “cooperação internacional” em matéria de mudança climática.