EconomiaEducaçãoPolítica

Quatro em cada dez pessoas no mundo acham que a política de seu país ainda é impactada por eventos da 2ª Guerra Mundial

46% de todos os ouvidos se orgulham do papel desempenhado por sua nação no conflito; entre os brasileiros, são 39%

Após 75 anos do fim da Segunda Guerra Mundial – muitos celebram a data em maio, quando houve a rendição alemã e o cessar-fogo das tropas aliadas; outros, em agosto, com a rendição japonesa –, o mundo ainda enfrenta os desdobramentos deste acontecimento tão importante para a história. Segundo estudo realizado pela Ipsos com participantes de 28 nações, 42% de todos os ouvidos globalmente acreditam que a vida política de seus países ainda é influenciada pelos eventos e resultados da Segunda Guerra.

Os entrevistados que mais concordam tendem a ser aqueles cujas pátrias estiveram diretamente envolvidas com os conflitos armados. O primeiro lugar ficou para a Polônia, com 67% de concordância com a premissa. O ranking segue com China (64%), Alemanha (63%), Rússia (58%) e Reino Unido (54%). No Brasil, um terço – ou 33% – creem que a política local ainda é impactada pelos eventos da Segunda Guerra.

Por outro lado, Arábia Saudita (14%), México (23%), Argentina (23%), Chile (24%) e África do Sul (26%) são os países que veem menor interferência do embate histórico no ambiente político atual.

Pouco menos do que a metade (46%) de todos os entrevistados no mundo, de acordo com a pesquisa, está orgulhosa do papel que seu país desempenhou na Segunda Guerra Mundial. O top 5 das nações que mais exaltam a atuação do país é encabeçado pela Rússia, onde 83% se orgulham dos feitos neste período. Seguem na liderança o Reino Unido (80%), a Ucrânia (78%), os Estados Unidos (73%) e a China (73%). Entre os brasileiros, 39% se orgulham da atuação do país durante a Segunda Guerra Mundial.

A Alemanha é a nação que menos se orgulha do papel que desempenhou na Segunda Guerra, com 7%. Japão (10%), Espanha (15%), Chile (16%) e Suécia (21%) também estão nas últimas posições do ranking.

Em memória dos combatentes

Quatro em cada dez ouvidos no mundo (40%) afirmam ter tido algum parente que serviu nas Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial. Ainda considerando os entrevistados globais, 21% dizem ter tido um familiar que morreu em combate. A Rússia é a nação cujos participantes do estudo mais perderam entes queridos em decorrência do conflito armado, com 59%, seguida da Ucrânia (55%), Alemanha (44%), Polônia (32%) e Hungria (29%).

No Brasil, 15% lidaram com a morte de um parente no combate durante a guerra. Chile (5%), Argentina (5%), Peru (6%), México (6%) e Espanha (8%) foram os países que menos sofreram esse impacto.

Levando em conta que a Segunda Guerra Mundial foi um fato de proporções tamanhas a trazer consequências, em maior ou menor escala, ao mundo todo, 55% dos entrevistados globais acreditam que é importante organizar cerimônias como forma de manter viva a memória dos acontecimentos da guerra. Rússia (81%), Reino Unido (80%), Holanda (77%), Austrália (77%) e Canadá (75%) são as nações que mais concordam com a afirmativa.

Outros países, entretanto, não fazem tanta questão de preservar a lembrança de tais eventos. São eles: Japão (18%), Arábia Saudita (19%), Chile (32%), Espanha (34%) e Malásia (36%). No Brasil, o índice é de 42%.

O estudo on-line foi realizado com 20 mil entrevistados, com idade entre 16 e 74 anos, de 28 países, entre 20 de março e 3 de abril de 2020. A margem de erro para o Brasil é de 3,5 p.p..

Sobre a Ipsos

A Ipsos é uma empresa de pesquisa de mercado independente, presente em 90 mercados. A companhia, que tem globalmente mais de 5.000 clientes e 18.130 colaboradores, entrega dados e análises sobre pessoas, mercados, marcas e sociedades para facilitar a tomada de decisão das empresas e das organizações. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de marketing, comunicação, mídia, customer experience, engajamento de colaboradores e opinião pública. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse: www.ipsos.com/pt-br.

Imagem: Pixabay

Tags
Exibir Mais

Edinaele Sousa

Jornalista e Produtora, 22. Além de registrar fatos, o jornalismo escreve histórias que serão contadas por gerações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estúdio Ao vivo

Abrir Rádio
Fechar