BasqueteEsportes

Protegida na Disney World, NBA retoma sua temporada mais incerta

Quatro meses e meio após a interrupção provocada pela COVID-19, a NBA retorna nesta quinta-feira, abrigada no famoso complexo de parques Disney World e determinada a definir o campeão da temporada mais desafiadora de sua história.

O pivô francês Rudy Gobert, que em 11 de março foi o primeiro caso positivo na liga, determinando a interrupção da competição, volta às quadras com Utah Jazz para enfrentar o New Orleans Pelicans, do jovem fenômeno Zion Williamson.

Em seguida, vem o confronto entre as duas equipes de Los Angeles, o Lakers, de LeBron James , e o Clippers, de Kawhi Leonard, favoritos ao título.

O reinício do torneio culmina com um plano meticulosamente elaborado pela NBA para voltar a ser acompanhada à distância pelos fãs e encerrar um confinamento causado por uma pandemia que já matou cerca de 150.000 pessoas nos Estados Unidos.

Ao contrário da Liga de Beisebol (Major League Baseball, MLB) que retomou os jogos nos estádios de cada equipe e já teve que suspender algumas partidas devido a contágios, a NBA decidiu concentrar os 22 times em um único local: o extenso complexo esportivo da Disney World em Orlando, (Flórida), de mais de 90 hectares.

Na chamada “bolha” da Disney World, com um investimento de cerca de 150 milhões de dólares, de acordo com a ESPN, a NBA criou um microambiente com infinitas regras e restrições para que o vírus não atinja os jogadores.

As equipes jogarão em três quadras do complexo ESPN World Wide of Sports, sem a presença de público. Os cerca de 350 jogadores ficam em três hotéis no parque de diversões, onde as visitas não são permitidas até o início dos playoffs, em 17 de agosto.

Após uma breve quarentena na chegada, os jogadores desfrutam das inúmeras opções de entretenimento organizadas para eles – golfe, pesca, sala de videogame, piscina – enquanto ainda passam por exames regulares de coronavírus.

“Um sacrifício importante”

Com quase nenhum representante da imprensa presente, a chegada dos jogadores à Disney World foi transmitida por eles mesmos através das mídias sociais. Várias das estrelas bilionárias reclamaram da comida, e outras, como Damian Lillard (do Porland Trail Blazers), compararam a “bolha” a uma prisão.

No entanto, elogios à organização e à segurança diminuíram as críticas, os jogos de aquecimento foram tranquilos e a última rodada de 346 testes para coronavírus não registrou nenhum caso.

“Isso exige um sacrifício significativo de nossos jogadores”, admitiu o comissário da NBA, Adam Silver, ao The New York Times.

“Do meu ponto de vista, está indo muito bem e estou cautelosamente otimista de que estamos no caminho certo”, acrescentou Silver.

“Mas também reconheço que o que estamos fazendo não foi feito antes, e a competição está apenas começando”.

O único incidente conhecido foi do armador Lou Williams,  do Clippers, que teve que cumprir uma quarentena de dez dias por ir a uma boate de striptease durante sua ida a Atlanta para acompanhar um funeral.

A Disney World também será palco dos protestoss por igualdade racial desencadeadas pelo assassinato do afro-americano George Floyd nas mãos de um policial branco em maio.

Cada uma das três quadras tem a frase slogan “Black Lives Matter” (“Vidas Negras Importam”) escrita e os jogadores poderão usar camisas que, em vez de seus nomes, exibirão mensagens de justiça social.

As equipes planejam muitas outras ações que podem incluir os jogadores do Pelicans e do Jazz ajoelhados na quadra durante a execução do hino nacional antes da partidade abertura, informou a ESPN.

LeBron, Giannis e Kawhi

Quando o jogo começar, uma das grandes atrações será descobrir se LeBron e o Lakers são capazes de alcançar o título e oferecê-lo em memória de Kobe Bryant, cuja morte inesperada em janeiro chocou a liga.

Após uma primeira temporada decepcionante em Los Angeles, James agora tem Anthony Davis ao seu lado e ambos mantiveram a equipe no topo da Conferência Oeste até o intervalo.

No papel, os principais obstáculos entre LeBron e seu quarto título na carreira são o Clippers, de Leonard, e o Bucks, de Antetokounmpo.

Depois de liderar o Toronto Raptors a um título inesperado no ano passado, Leonard se transferiu para sua Califórnia natal e, ao lado de Paul George, lidera uma das melhores equipes da liga.

Antetokounmpo, o jogador mais valioso de 2019 (MVP) e o principal favorito para repetir a conquista este ano, pretende chegar à sua primeira final com o Bucks e começar, aos 25 anos, um tempo de domínio na NBA.

A estrela do Bucks, primeiro na Conferência Leste, cresceu em situação de pobreza na Grécia como filho de imigrantes nigerianos e ri com comentários sobre o isolamento na Disney World.

“Não importa onde você esteja, sempre há algo para reclamar, sempre há um problema e uma pergunta”, disse Antetokounmpo.

“Minha casa na Grécia, quando eu era mais jovem, com meus quatro irmãos, era muito menor do que a suíte que eu tenho no hotel, então só estou tentando aproveitar o momento”, concluiu

Foto: Reprodução

Tags
Exibir Mais

Brenda Bezerra

Estudante de publicidade e propaganda, produtora de moda e criadora de conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estúdio Ao vivo

Abrir Rádio
Fechar