Nova York (AFP) – Após cinco semanas de depoimentos gráficos que incluíram relatos pessoais cruéis de abuso sexual, físico e emocional, os promotores que buscam condenar R. Kelly por extorsão e tráfico sexual encerraram a apresentação de seu caso nesta segunda-feira (20).O cantor que triunfou nos anos 1990 e no início dos anos 2000 enfrentou acusações de má conduta sexual por décadas, mas só foi julgado uma vez por pornografia infantil, processo do qual foi absolvido.Em um tribunal no Brooklyn, Nova York, promotores federais chamaram 45 testemunhas, incluindo 11 acusadores, nove mulheres e dois homens, em sua tentativa de retratar Kelly como o chefe de uma organização criminosa que lhe permitiu atacar mulheres e menores durante quase 30 anos.Seis das pessoas convocadas para testemunhar disseram que eram menores quando Kelly começou os encontros sexuais com eles.As acusações são centradas em seis mulheres: Jerhonda, Stephanie, Faith, Sonja e uma mulher que testemunhou sob um pseudônimo, além de Aaliyah, cantora de R&B que morreu em um acidente de avião em 2001, com quem Kelly havia se casado ilegalmente quando tinha 15 anos.Mais de um mês de testemunhos incluíram descrições comoventes de mulheres que disseram ter sido estupradas, espancadas, drogadas, presas e, às vezes, impedidas de comer ou de usar o banheiro.Uma mulher disse que Kelly a forçou a fazer um aborto quando ela era adolescente. Vários disseram que ele lhes transmitiu herpes ao fazer sexo sem avisá-las de que havia contraído a infecção sexualmente transmissível.Robert Sylvester Kelly – seu nome verdadeiro – enfrenta uma acusação de extorsão e oito violações do Mann Act, uma lei anti-tráfico sexual que proíbe o transporte de pessoas através das fronteiras do estado para fins sexuais.O cantor, de 54 anos, se declara e inocente e pode ser condenado a entre 10 anos de prisão e prisão perpétua se for considerado culpado de todas as acusações.Além de seu julgamento no Brooklyn, Kelly foi indiciado em três outras jurisdições, incluindo o tribunal federal de Illinois, por pornografia infantil e acusações de obstrução da justiça.No interrogatório, os advogados de defesa tentaram questionar a credibilidade das testemunhas argumentando que os relacionamentos eram consensuais, às vezes até românticos, e buscaram retratar as mulheres como amantes rejeitadas ou fanáticas que ficaram com ciúmes ou zangadas quando seu relacionamento com Kelly terminou.Na segunda-feira, os advogados de Kelly iniciaram sua defesa, convocando as duas primeiras das seis testemunhas esperadas. O músico não deve testemunhar.O primeiro homem a depor, Dhanai Ramanan, disse que conhecia Kelly há cerca de 15 anos e rejeitou as acusações de que abusou de mulheres apelando para seu “cavalheirismo”.Aspirante a músico que nunca trabalhou diretamente com Kelly, Ramanan disse que ficava perto dele para “assistir” e “aprender”.A segunda testemunha de defesa foi Larry Hood, um ex-policial de Chicago e amigo de infância de Kelly que também cuidou de sua segurança.