No mundo dos investimentos e do empreendedorismo é comum ouvir a palavra Startup e tê-la como sinônimo de inovação e tecnologia nos negócios. Mais que isso, são modelos de negócio que buscam rápido crescimento com custo baixo de manutenção. No Brasil, existem cerca de 10 mil startups que movimentam bilhões no mercado.

Diante dessa realidade, o Governo Federal lançou um programa para internacionalização das startups. A ação é realizada por meio da StartOut Brasil, um programa para incentivar a participação de empresas brasileiras em semanas de imersão nas mais diversas realidades de inovação ao redor do mundo.

Afinal, o que é uma Startup?

O conceito Startup surgiu nos Estados Unidos, por volta da década de 1990, ligado a empresas do segmento de tecnologia criadas no Vale do Silício. O termo começou timidamente a fazer parte do empreendedorismo brasileiro a partir da bolha ponto-com, entre os anos de 1996 e 2001, mas foi somente em 2011 que o termo se difundiu no país.

Muitas vezes a compreensão de uma startup é voltada apenas para o meio virtual. No entanto, o termo é relacionado para empresas em fase inicial, que desenvolvem produtos ou serviços de maneira inovadora e com potencial de crescimento rápido em um contexto de incerteza. O principal objetivo de uma startup é a busca por um modelo de negócios que seja lucrativo, independente do seu segmento, considerando os aspectos de fácil repetição e escalável. Nesse sentido, startups tem como ponto norteador a busca por solução de problema não resolvido. Dentre os princípios que definem uma startup, destacam-se:

Inovação

A startup apresenta um produto ou serviço novo para o mercado a que é direcionada. O produto ou serviço pode ser composto a partir de uma inovação em seu modelo de negócio, assim, como também pode ser apenas com elementos de diferenciação.

Escalabilidade

O modelo de negócio de uma startup deve ser escalável, ou seja, o produto ou serviço deve ter aumento de produção sem que isso aumente os custos. Um negócio escalável é aquele que apresenta potencial de expansão e crescimento, sem perder os valores que lhe agregam qualidade.

Repetibilidade

É a não personalização do produto ou serviço para o usuário. Deve ser possível replicar ou reproduzir a experiência de consumo de forma relativamente simples, que não gere demandas para o aumento de recursos humanos ou financeiros.

Flexibilidade e Rapidez

Por ser primordialmente inovadora, estar em um contexto de incerteza e ser um mercado altamente competitivo, a startup deve ser capaz de atender e se adaptar rapidamente às demandas do mercado.

StarOut Brasil

Com um investimento de R$ 3 milhões por ano, o programa do Governo Federal intenciona levar cerca de 60 empresas para participar de semanas de imersão em  diversos espaços e realidades de inovação pelo mundo.  As empresas selecionadas para o programa receberão apoio em todo o processo de internacionalização.

O programa é uma parceria entre o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços Ministério das Relações Exteriores, Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec). É voltado para empresas que possuem faturamento acima de R$500mil e  tem como objetivo que as empresas ampliem seus volumes de negócios no exterior e amadureçam com práticas diferentes de gestão dos mercados de inovação.

As startups têm a oportunidade de acesso à consultoria especializada em internacionalização, orientação com especialistas no mercado de destino e treinamento. Ainda durante a imersão, é executada uma agenda de trabalho para a promoção da prospecção de clientes e investidores e visita a aceleradoras e incubadoras. São realizados seminários de oportunidades e reuniões com prestadores de serviço. Após o retorno ao Brasil, as empresas tem auxilio para criar sua estratégia de internacionalização e efetivar a instalação no mercado escolhido.

 

Foto: Reprodução