México (AFP) – O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador disse nesta quarta-feira (13) que sua proposta de reforma constitucional à indústria elétrica respeita os acordos comerciais, como o TMEC com Estados Unidos e Canadá.”A reforma elétrica não contradiz o tratado (TMEC), pelo contrário, é para que o México tenha ainda mais vantagens comparativas, para que cheguem mais investimentos e que possamos manter o compromisso com os usuários de não aumentar o preço da luz”, disse o presidente esquerdista em coletiva de imprensa.O presidente foi interrogado sobre as críticas contra essa reforma constitucional, entre elas que seria contra compromissos internacionais assumidos pelo México.Tanto Estados Unidos quanto Canadá expressaram sua preocupação sobre o potencial impacto que essa reforma teria em investimentos privados norte-americanos.O TMEC “não impede que a corrupção seja evitada no México, não tem nada a ver com proteger empresas para abusar dos consumidores”, acrescentou o presidente.Desde que assumiu o poder, em dezembro de 2018, López Obrador se empenhou para reforçar o papel do Estado no setor energético, o que gerou conflitos entre o governo e o setor empresarial. López Obrador reiterou, nesta quarta-feira, que essa reforma busca fortalecer a estatal Comissão Federal de Eletricidade (CFE), principalmente em geração de energia.No marco legal atual, a CFE adquire das empresas privadas grande parte da eletricidade que distribui no México.Críticos da reforma apontam que a CFE voltaria a produzir energia com óleo combustível e carvão, altamente poluentes, mas López Obrador afirma que seu objetivo é modernizar as hidrelétricas da CFE.