Madri (AFP) – O presidente da LaLiga (entidade que organiza o Campeonato Espanhol), Javier Tebas, usou as redes sociais para criticar duramente o Paris Saint-Germain e os “clubes-estado”, considerando seu modelo econômico “insustentável”, poucos minutos após o fechamento do mercado de transferências na Europa na noite de terça. “Os clubes são tão perigosos para o ecossistema do futebol quanto a Superliga. Fomos críticos da Superliga porque ela destrói o futebol europeu e somos tão críticos do PSG”, escreveu Tebas no Twitter. O PSG, pertencente ao fundo do Catar QSI (Qatar Sports Investment), rejeitou ofertas de 160 e 180 milhões de euros do Real Madrid pelo atacante Kylian Mbappé, que ainda tem um ano de contrato com o clube francês. O time de Paris também contratou grandes estrelas, como o zagueiro espanhol Sergio Ramos (ex-Real Madrid), o goleiro italiano Gianluigi Donnarumma (ex-Milan) e, principalmente, o argentino Lionel Messi (ex-Barcelona), aumentando a folha salarial. “Prejuízos por cobiça de mais de 300 milhões de euros, queda de 40% nas receitas de TV na França e mais de 500 milhões de euros em salários? Insustentáveis”, acrescentou o presidente da LaLiga. Com vários clubes, como o Barcelona, fortemente endividados e em processo de consolidação orçamentária, a LaLiga perdeu todas as suas grandes estrelas em apenas alguns anos (Neymar em 2017, Cristiano Ronaldo em 2018, Ramos e Messi este ano).