O Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, disse nesta quarta-feira, 31, que o corte de juros anunciados hoje pelo banco para pessoas físicas e jurídicas não será o único movimento de redução de taxas em sua gestão.

Segundo ele, a expectativa é a de que o aumento da carteira de crédito da instituição mais do que compense a perda de receita com a cobrança menor de juros.

“Não é razoável cobrarmos 10%, 15%, 20% de juros ao mês. A redução de juros deve ser um movimento contínuo. Vamos reduzir taxas de todas as modalidades de crédito, em todos os segmentos” disse.

E ressaltou que quer baixar juros pelo menos uma vez por ano, pois segundo ele, a perda de faturamento da Caixa será “mínima” diante do potencial de resultados da medida em atrair novos clientes para o banco. 

Ele lembrou que a instituição tinha apenas 5 milhões de usuários de cartões de crédito no final do ano de  2018.

“O nosso volume de cartão de crédito deve aumentar sensivelmente. Com o aumento da carteira, não precisamos cobrar juros altos. A Caixa não pode ter menos de 20 milhões de cartões”, completou.

Nesta quarta-feira, 31, o banco anunciou a isenção da anuidade do cartão para pessoas físicas e o fim da cobrança da primeira anuidade para empresas.

Fonte: Diário do Nordeste
Foto: Reprodução