Nova York (AFP) – O presidente Jair Bolsonaro chegou a Nova York sem estar vacinado, descumprindo uma exigência das autoridades locais e uma recomendação das Nações Unidas, o que provocou a indignação do prefeito da cidade, Bill de Blasio.No encontro que teve nesta segunda-feira com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, o presidente comentou, entre risos: “Ainda não me vacinei.” O interlocutor recomendou a vacina britânica AstraZeneca. O prefeito de Nova York reprovou a atitude de Bolsonaro: “Devemos mandar uma mensagem a todos os líderes do mundo, incluindo, e muito particularmente, Bolsonaro, do Brasil, de que aquele que desejar vir tem que estar vacinado, porque todos deveríamos estar seguros juntos”, declarou.O prefeito havia exigido na semana passada que todos os integrantes das delegações que fossem participar da Assembleia Geral da ONU, que começa amanhã, estivessem vacinados. A intervenção do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, impediu que Bolsonaro ficasse na rua.Guterres alegou a desigualdade no acesso às vacinas nos países em desenvolvimento para ser mais permissivo com os visitantes das instalações do fórum multilateral. O prefeito De Blasio lembrou que a cidade está ajudando os delegados que quiserem se vacinar.- Pedaço de pizza -Bolsonaro, 66, foi fotografado ontem comendo um pedaço de pizza em uma rua de Nova York, uma consequência, segundo a imprensa brasileira, de sua recusa a se vacinar contra o coronavírus. Em todos os lugares públicos da cidade é necessário apresentar um comprovante de vacinação, acompanhado de um documento de identidade.“Jantar de luxo em Nova York”, brincou o ministro da Secretaria da Presidência, Luiz Eduardo Ramos, em tuíte publicado na noite de domingo e ilustrado com a foto de Bolsonaro degustando um pedaço de pizza com vários integrantes de sua delegação.“Vamos comer pizza com coca-cola”, escreveu o ministro do Turismo, Gilson Machado, no Instagram.“O Bolsonaro gosta de simular simplicidade e modéstia em momentos como este (…), mas não é uma questão de gosto ou escolha, mas sim uma imposição da lei em vigor em Nova York”, explicou o colunista Reinaldo Azevedo no portal de notícias UOL.O presidente brasileiro fará o primeiro discurso na Assembleia Geral da ONU nesta terça-feira, antes do colega Joe Biden.Muito criticado por sua gestão da crise sanitária, Bolsonaro, que costuma dizer que já está imunizado por ter se infectado com o novo coronavírus no ano passado, afirma que será “o último brasileiro” a receber uma vacina anticovid.Após chegar a Nova York, ontem à noite, Bolsonaro teve que usar a porta dos fundos para entrar em seu hotel sem encontrar os manifestantes que o aguardavam perto da entrada principal aos gritos de “Fora Bolsonaro!”, segundo a imprensa.