Pfizer quer testar terceira dose e uma vacina contra a cepa sul-africana | Foto: AFP

A dupla americana-alemã Pfizer-BioNTech declarou nesta quinta-feira que está estudando adicionar uma terceira dose ao seu regime de vacinas contra a covid-19, bem como testar uma nova versão visando a variante sul-africana do vírus.

À medida que os países ao redor do mundo correm para vacinar suas populações, cresce a preocupação de que as variantes mais transmissíveis do coronavírus, como a detectada na África do Sul ou outra na Grã-Bretanha, sejam mais resistentes às vacinas existentes.

Em um estudo, a dupla farmacêutica disse que observaria o que acontece quando as pessoas recebem uma terceira dose de sua vacina, seis a 12 meses após o reforço.

Além disso, informaram em um comunicado que vão pedir aos reguladores de saúde que testem uma versão modificada de sua vacina original para lidar com a variante sul-africana, conhecida como B.1.351.

“Estamos tomando várias medidas para agir de forma decisiva e estar preparados caso uma cepa se torne resistente à proteção oferecida pela vacina”, disse Albert Bourla, CEO da Pfizer, em um comunicado.

A variante sul-africana do vírus é considerada uma das mais perigosas porque evita parte da ação bloqueadora exercida pelos anticorpos contra a cepa mais antiga.

Isso significa que as pessoas que foram infectadas com a cepa original têm maior probabilidade de serem infectadas novamente, e a pesquisa mostrou que a variante sul-africana reduz parcialmente a proteção da atual geração de vacinas.

Moderna, outra empresa cuja vacina foi aprovada para uso de emergência nos Estados Unidos, disse na quarta-feira que as doses de sua nova vacina candidata direcionada à variante sul-africana foram enviadas para os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos para teste.

Foto: AFP