Zurique (Suíça) (AFP) – “O pior já passou”, declarou o tenista suíço Roger Federer, que em meados de agosto declarou que teria de se submeter a uma nova operação no joelho e que ficaria fora das quadras por vários meses. “Estou bem, a reabilitação progride passo a passo”, disse o suíço de 40 anos durante um evento em Zurique promovido por um de seus patrocinadores. Federer ficou sem jogar por um ano, período em que foi submetido a duas cirurgias no joelho direito. Ele voltou nesta temporada, mas só atuou em 13 partidas, a última nas quartas de final de Wimbledon. Em seguida, ele anunciou que precisava de uma terceira operação. “O pior já passou, estou desejando que coisas novas ocorram. Quando você volta de uma lesão, cada dia é um dia melhor, é um momento emocionante”, continuou. Federer, que ocupa a nona posição no ranking ATP, destacou que a lesão “não foi um problema mental”, chamando-a de um “desafio” para retornar ao circuito profissional. O tenista acrescentou que espera treinar na quadra com a raquete o mais rápido possível, mas acrescentou que deve ter “um pouco de paciência”. Federer foi o principal promotor da Copa Laver, torneio por equipes que coloca os melhores jogadores europeus contra seis tenistas do resto do mundo. A edição de 2021 será disputada em Boston de sexta a domingo, sem o campeão suíço. “Dói. Eu sabia que a certa altura não seria capaz de participar, mas não pensei que seria neste ano”, concluiu.