CiênciaCoronavirusMundoNotícias

O mundo dividido sobre o uso da hidroxicloroquina

Banida em alguns países, incentivada em outros. O mundo está cada vez mais dividido sobre o uso da hidroxicloroquina no tratamento do novo coronavírus, desde a publicação de um polêmico estudo que considera a molécula ineficaz e até prejudicial.

Publicado em 22 de maio na revista científica “The Lancet”, o estudo conclui que a hidroxicloroquina (HCQ), um derivado da cloroquina usado no tratamento da malária, não é eficaz contra a COVID-19 e aumenta o risco de morte e de arritmia cardíaca.

A metodologia do estudo foi questionada por parte da comunidade científica. Métodos de estudos anteriores destacando sua eficácia também foram criticados.

Banida em alguns países

O estudo levou muitos países a suspenderem o uso da molécula.

Na França, onde o controverso professor Didier Raoult é um dos principais promotores da hidroxicloroquina, foi revogada em 27 de maio a permissão dada aos hospitais, no final de março, para fornecer esse tratamento a pacientes gravemente enfermos.

Outros países, como Itália, Egito, Tunísia, Colômbia, Chile, ou El Salvador, também suspenderam o uso da molécula em pacientes com COVID-19.

Várias nações já haviam parado de fornecer HCQ a pacientes antes da publicação do estudo. A Suécia, que a utilizou para tratar formas graves da doença, parou de usá-la em abril, depois que a Agência Europeia de Medicamentos aconselhou administrá-la apenas em ensaios clínicos.

O governo alemão também considera que “os estudos atuais não permitem o tratamento de rotina de pacientes da COVID-19 com cloroquina, ou com hidroxicloroquina, exceto em ensaios clínicos”.

Promovida em outros

Outros países elogiam a eficácia da molécula e não querem parar de administrá-la.

É o caso de Brasil, Argélia, Marrocos, Turquia, Tailândia, Portugal, Quênia, Senegal, entre outros.

“Tratamos milhares de casos com este medicamento com grande sucesso até agora. E não notamos efeitos indesejáveis”, disse à AFP o Dr. Mohamed Bekkat, membro do comitê científico responsável pela evolução da pandemia na Argélia.

Segundo ele, o estudo publicado na The Lancet “é confuso”, pois “parece afetar casos graves para os quais a hidroxicloroquina é inútil”, enquanto a molécula “é eficaz quando usada precocemente”.

Índia e Venezuela continuam a usar HCQ preventivamente. As autoridades de saúde indianas garantem que não detectaram “nenhum efeito colateral importante”.

Cuba continua a usar a molécula, mas planeja revisar seus protocolos para introduzir novas precauções.

Nos Estados Unidos, a hidroxicloroquina pode, em princípio, ser administrada apenas a pacientes com COVID-19 hospitalizados, mas a Food and Drug Administration (FDA, agência responsável pela áreas de alimentos e remédios) alerta desde abril sobre riscos de arritmia cardíaca.

Defensor fervoroso da molécula, o presidente Donald Trump garantiu que a tomava diariamente como medida preventiva. Após a publicação do estudo na “The Lancet”, porém, disse que parou de usá-la.

No domingo, a Casa Branca anunciou o envio para o Brasil de dois milhões de doses de hidroxicloroquina para combater o coronavírus.

Ensaios clínicos suspensos

O artigo da “Lancet” levou à suspensão de vários ensaios clínicos, começando com a divisão da hidroxicloroquina dos programas Solidarity (OMS) e Discovery (Europa), que deixaram de incluir novos pacientes.

O estudo internacional Copcov, que fornecia doses de HCQ para profissionais de saúde em contato com o coronavírus, dois estudos conduzidos na clínica universitária de Tübingen, na Alemanha, e cinco estudos na Dinamarca também foram interrompidos.

E outros mantidos

Outros estudos continuam, porém, como o Recovery (Reino Unido). Com base em seus próprios dados de mortalidade, seus responsáveis acreditam em que “não há motivo convincente para suspender o recrutamento por motivos de segurança”.

Outros testes realizados no Canadá, na Nigéria, ou no México, também estão mantidos.

“Existem dados para provar que a hidroxicloroquina funcionou em vários pacientes. Então, vamos continuar”, disse a professora Mojisola Adeyeye, que chefia a agência nigeriana de medicamentos.

Na China, berço da pandemia, a substância é usada apenas em ensaios clínicos. Sua eficácia, que a Universidade de Wuhan considerou inicialmente promissora, foi questionada em um hospital de prestígio em Xangai.

Foto: Reprodução

Tags
Exibir Mais

Brenda Bezerra

Estudante de publicidade e propaganda, produtora de moda e criadora de conteúdo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estúdio Ao vivo

Abrir Rádio
Fechar