Foto: Reprodução

Em entrevista ao Siará Notícias nesta quinta-feira (08), o ex-secretário Nacional de Atração de Investimentos, Parcerias e Concessões do Ministério do Turismo, Lucas Fiuza, falou sobre as expectativas para as eleições de 2022. Ao ser questionado sobre uma suposta candidatura do ex-presidente Lula, Bolsonaro e Ciro Gomes, Fiuza enfatiza que o cenário seria favorável para o representante do PT e Jair Bolsonaro, o ex-secretário nacional de turismo diz que Ciro não tem chances e “está tumultuando”, mas no Ceará influência na candidatura dos demais cargos.

Fiuza fala que os Ferreira Gomes são “muito fortes no Ceará, ainda” e que se houver um desgaste entre PT e PDT por conta da candidatura nacional do Ciro Gomes, vai impactar na força que a esquerda vai ter como um todo no Estado do Ceará.

O ex-secretário disse que se PT e PDT estiverem alinhados a dificuldade para a direita será maior, o que não é interessante.

Lucas Fiuza é ex-presidente do PSL em Fortaleza e apoiador de Bolsonaro. Foi nomeado como ministro substituto pelo próprio presidente em novembro de 2020, durante viagem do então titular Marcelo Álvaro Antônio ao exterior.

Porém, Fiuza foi exonerado do cargo de Secretário Nacional de Atração de Investimentos, Parcerias e Concessões pelo ministro do Turismo, Gilson Machado, em 26 de março deste ano, em uma edição do DOU (Diário Oficial da União).

Ao ser questionado o motivo da exoneração, Lucas Fiuza disse não saber o real motivo da demissão.

Na entrevista também foi discutida a CPI da Pandemia, o atual estado político no Ceará e a polarização política em meio a crise da Covid-19.

Confira o momento:

Confira outros destaques ta entrevista:

O ex-secretário Nacional de Atração de Investimentos, Parcerias e Concessões do Ministério do Turismo, Lucas Fiuza, falou que o governo do estado do Ceará politizou a pandemia da Covid-19 em muitos momentos. Confira: