Houston (Estados Unidos) (AFP) – Dezenas de milhares de migrantes, incluindo muitos haitianos, esperavam nesta sexta-feira (17) debaixo de uma ponte na fronteira sul dos Estados Unidos para serem atendidos por guardas fronteiriços, em um novo desafio para o governo de Joe Biden.Mais de 10.500 migrantes, que chegaram nos últimos dias vindos do México, acamparam na quinta-feira à noite em condições precárias debaixo da Ponte Internacional de Del Rio, disse no Twitter o prefeito desta cidade do Texas, Bruno Lozano. “São principalmente do Haiti e entram ilegalmente (…). Só estão esperando serem detidos pelos guardas fronteiriços” para iniciarem os trâmites de autorização de estadia, explicou em um vídeo publicado no Twitter. “Precisamos de uma ação rápida do governo”, pediu o prefeito democrata, destacando os riscos para a saúde e a segurança que representa este acampamento improvisado. O Escritório de Alfândega e Proteção das Fronteiras dos Estados Unidos (CBP em inglês) afirmou em nota que aumentou sua equipe para enfrentar a situação de forma “segura, humana e ordenada”. A área sombreada debaixo da ponte serve como local de parada temporária “para prevenir doenças relacionadas ao calor”, explicou, afirmando que distribuiu água potável, toalhas e banheiros portáteis.Assim que são atendidos, “a grande maioria dos adultos que chegam sozinhos e muitas famílias vão continuar sendo expulsos sob o Título 42”, uma norma de saúde adotada no início da pandemia para frear a propagação do vírus, segundo a nota. “Quem não puder ser expulso sob o Título 42 e não tiver uma base legal para permanecer será colocado em processo de deportação acelerado”, afirmou o CBP. No entanto, um juiz federal ordenou na quinta-feira ao governo de Biden que não expulse as famílias neste contexto, o que poderia complicar a tarefa das autoridades, que enfrentam há meses os fluxos migratórios recordes na fronteira com o México. Mais de 208.000 migrantes foram detidos lá em agosto, segundo os últimos dados oficiais. Isso aumenta o número de travessias ilegais registradas na fronteira sul dos EUA para mais de um milhão e meio em quase um ano, o número mais alto em 20 anos. Desses, mais de 638.000 vinham de El Salvador, Guatemala e Honduras, e 595.000 do México.A oposição republicana acusa há meses Biden de ter provocado uma “crise migratória” ao flexibilizar as medidas de seu antecessor Donald Trump, que fez do combate à imigração ilegal um dos pilares de seu governo.Na quinta-feira, o senador republicano Ted Cruz viajou para Del Rio para denunciar “um desastre causado por Joe Biden”.