Manifestantes enfrentaram a polícia em Minneapolis depois que um homem negro foi morto por um agente | AFP

Centenas de manifestantes protestaram no domingo à noite contra a morte de um afro-americano em uma ação da polícia de Minneapolis, cidade americana em que acontece o julgamento de um ex-agente acusado pela morte de George Floyd, um caso que provocou muitos protestos contra o racismo e a brutalidade policial contra a comunidade negra.

O homem foi identificado por parentes como Daunte Wright, 20 anos.

Muitas pessoas se aglomeraram diante da delegacia principal de Brooklyn Center, ao noroeste de Minneapolis. A polícia usou gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral para dispersar a multidão.

À meia-noite (2H00 de Brasília), a Guarda Nacional seguiu para o local e o prefeito de Brooklyn Center, Mike Elliott, declarou um toque de recolher de 1H00 até as 6H00 locais.

A mãe de Daunte Wright, afirmou à multidão que o filho ligou para contar que a polícia havia ordenado que ele parasse o veículo, segundo a imprensa local.

Katie Wright disse que ouviu quando os policiais afirmaram ao filho que soltasse o telefone e depois um dos agentes encerrou a ligação. Pouco depois, a namorada do filho afirmou que ele estava morto.

O departamento de assuntos criminais de Minnesota confirmou à AFP que está “investigando” o envolvimento de um agente em um tiroteio em Brooklyn Center, mas se negou a identificar a vítima.

De acordo com um comunicado do departamento policial de Brooklyn Center, agentes ordenaram o motorista de um veículo a parar por uma infração de trânsito. Quando descobriram que ele tinha uma ordem de detenção pendente, eles tentaram efetuar a prisão.

O motorista retornou ao veículo e um dos agentes atirou, atingindo o condutor, que morreu no local, segundo a versão policial.

Uma passageira do automóvel sofreu “ferimentos”, mas sua vida está fora de perigo. Ela foi levada para um hospital local, segundo o comunicado, que não identificou a mulher.

O prefeito de Brooklyn City, Mike Elliott, chamou o tiroteio de “trágico”. Tim Walz, governador de Minnesota, estado em que fica Minneapolis, disse lamentar “de novo a perda da vida de um homem negro nas mãos da polícia”.

Centenas de manifestantes se reuniram diante da principal delegacia de Brooklyn Center e a polícia usou gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral | AFP

 “Justiça para Daunte Wright”

 

Quase 200 pessoas se reuniram em Brooklyn Center no domingo à noite e foram recebidas por policiais da força antidistúrbios.

Fotos da manifestação mostram homens saltando sobre uma viatura da polícia. O jornal Star Tribune informou que as forças de segurança usaram munição não letal para dispersar os participantes do protesto.

Quando a presença policial diminuiu após uma hora, a multidão acendeu velas e escreveu mensagens na rua como “Justiça para Daunte Wright”.

Mas os confrontos foram retomados pouco depois, quando outro grupo de centenas de manifestantes se reuniu diante da sede principal da polícia de Brooklyn Center. Eles também foram recebidos com gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral.

Em uma entrevista coletiva, John Harrington, secretário de Segurança do estado de Minnesota, disse que “pedras e outros objetos foram atirados” contra agentes da polícia e que 20 lojas de um centro comercial foram saqueadas.

Harrington informou que a Guarda Nacional aumentará sua presença na região nesta segunda-feira.

O novo incidente aconteceu no momento do julgamento em Minneapolis de Derek Chauvin, policial branco acusado pela morte de George Floyd, um afro-americano, em maio do ano passado na cidade.

A morte de Floyd desencadeou uma onda de protestos nos Estados Unidos contra o racismo e a brutalidade policial.

AFP