Barinas (Venezuela) (AFP) – Argenis Chávez, irmão mais velho do ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, renunciou nesta terça-feira (30) ao governo de Barinas, depois que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) ordenou repetir as eleições nas quais a oposição alegou vitória. “Vou apresentar minha renúncia ao cargo de governador junto ao órgão competente, que é o conselho regional legislativo” para “tornar mais expedido este processo de transição até as eleições”, disse Argenis Chávez, de 63 anos, durante coletiva de imprensa.Chávez, candidato pelo governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) nas eleições de 21 de novembro, não disputará a reeleição quando o pleito for repetido, em 9 de janeiro, por ordem da máxima corte do país. As votações também não contarão com o principal candidato da oposição, Freddy Superlano, pois o TSJ disse que ele está inabilitado por processos judiciais contra ele.Superlano pediu que sua “vitória” fosse oficializada na região de 97.000 habitantes, governada pela família Chávez desde 1998. Barinas foi o único estado que não apresentou seus resultados eleitorais, gerando protestos. O PSUV elegeu 19 dos 23 governadores em um processo no qual a maioria da oposição voltou às urnas depois de boicotar as votações de 2018 e de 2020, denunciadas como “fraudulentas”. O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) oficializou nesta terça-feira a convocação das novas eleições, para as quais candidaturas poderão ser inscritas entre 2 e 6 de dezembro, informou a entidade.Na noite de segunda-feira, a Sala Eleitoral do TSJ determinou o CNE a convocar novas eleições.Em decisão publicada em seu portal, o TSJ, acusado pela oposição de favorecer o governo, reconhece que as “projeções do Conselho Nacional Eleitoral” dão a Superlano 37,60% dos votos e a Argenis Chávez, 37,21%, mas destacou que o opositor estava em “condição de inegibilidade” por causa de investigações penais e administrativas.O irmão mais velho de Hugo Chávez reconheceu estes resultados nesta terça-feira.Familiares do ex-presidente Chávez (1999-2013) ocuparam durante mais de duas décadas o governo de Barinas. A corrente começou com seu pai, Hugo de los Reyes Chávez, governador de 1998 a 2008; seguiu com seu irmão, Adán, atual embaixador da Venezuela em Cuba entre 2008 e 2016; e continuou com Argenis, no cargo desde 2017.Superlano convocou protestos para o sábado durante uma coletiva de imprensa em Caracas, acompanhado do líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente encarregado da Venezuela por meia centena de países desde 2019, sem ter conseguido tirar Maduro do poder.str-mbj/yo/jc/mvv