Metade do ano de 2020 já se passou, com a maioria dos dias marcados por isolamento social e combate ao novo coronavírus. Os números, aos poucos, começam a indicar redução e permitir a flexibilização do “fique em casa”. No entanto, ainda não é hora de relaxar totalmente, como alerta a médica infectologista Melissa Medeiros, do Hospital São Camilo Fortaleza.

“Passamos por um momento muito difícil, e agora estamos melhorando, diminuindo os casos. Mas é importante que a gente persista com a identificação dos casos suspeitos, para isolar pacientes doentes, e proteger principalmente os grupos de risco, como idosos, e pessoas com comorbidades como diabetes e hipertensão”, diz a médica.

Medeiros orienta que as pessoas que tenham sintomas sugestivos de Covid-19 procurem assistência médica, seja o teste rápido ou até mesmo a sorologia posterior para saber se aconteceu a infecção ou não. Os primeiros cinco dias, em especial, são muito importantes para tentar identificar o vírus, porque as chances de transmissão são de até 40%.

“Sob qualquer suspeita, essa pessoa deve ser afastada do trabalho, do convívio com as pessoas que moram junto, para reduzir o risco de transmissão. Então, não vamos relaxar nesse momento, mas sim continuar buscando a testagem e o isolamento”, recomenda.

Foto: Reprodução