Foto: AFP

Dezenas de incêndios ardiam nesta sexta-feira (2) no oeste do Canadá e no estado americano da Califórnia, obrigando milhares de pessoas a deixarem suas casas e reduzindo as esperanças de uma diminuição na letal onda de calor que castiga a região.

Mil pessoas foram retiradas da província canadense de Colúmbia Britânica, quando um incêndio florestal tomou conta de uma pequena cidade que estava há três dias batendo recordes nacionais de temperaturas máximas.

A onda de calor, que especialistas atribuem à mudança climática, causou centenas de mortes no Canadá e nos Estados Unidos.

Lytton, 250 km ao nordeste de Vancouver, “sofreu danos estruturais, e 90% do povoado está incendiado, incluindo o centro da cidade”, disse o parlamentar local Brad Vis.

Foram emitidos avisos de evacuação para grandes áreas de um condado da Califórnia, onde um incêndio gigantesco destruiu mais de 8.000 hectares. Nesta sexta-feira, apenas um quinto desse incêndio estava controlado, de acordo com as autoridades locais.

O fogo, que começou por um raio, já está ativo há uma semana, disse um serviço de alerta de incêndios do governo canadense.

As imagens da região mostravam colinas e áreas arborizadas em chamas, e nuvens de fumaça subindo até o céu. Os bombeiros trabalham sem descanso para apagá-las.

Pelo menos 12 diferentes focos foram registrados na Califórnia, que no ano passado sofreu os piores incêndios florestais de sua história.

Colúmbia Britânica registrou 62 novos focos nas últimas 24 horas, informou o primeiro-ministro desta província, John Horgan, em coletiva de imprensa.

“Não posso deixar de enfatizar o quão extremo é o risco de incêndio neste momento em quase todas as partes da Colúmbia Britânica”, disse Horgan.

“Devastador”

Toda população de Lytton, cerca de 250 habitantes, foi evacuada na madrugada de quarta-feira, no dia seguinte ao recorde canadense de alta temperatura batido pela vila, ao marcar 49,6°C.

A ordem de deixar o local foi estendida aos residentes de cerca de 100 propriedades ao norte de Lytton.

“As últimas 24 horas foram devastadoras para os moradores de Lytton”, tuitou o ministro da Defesa, Harjit Sajjan, acrescentando que as Forças Armadas canadenses “estão prontas para dar apoio aos moradores, enquanto avançamos nos próximos passos”.

As autoridades provinciais não informaram feridos, ou nem mortos, relacionados aos incêndios.

Vários focos foram registrados no norte da cidade de Kamloops, 150 km ao nordeste de Lytton.

Em um boletim emitido na quinta-feira (1) para a área de Prince George, outra localidade da Colúmbia Britânica, a Environment Canada disse que “uma onda excepcionalmente forte de alta pressão” continuará causando temperaturas recordes nos próximos dias.

“A duração desta onda de calor é preocupante, já que há pouco alívio durante a noite”, quando as temperaturas elevadas persistem, acrescentou.

Na quinta-feira, a onda de calor se deslocava para o leste, em direção às pradarias canadenses.

Além de Colúmbia Britânica, foram emitidos alertas de calor para as províncias de Alberta, Saskatchewan, Manitoba, partes dos Territórios do Noroeste e, agora, o norte de Ontário.

Do outro lado da fronteira, os estados de Washington e Oregon também continuam sufocados com temperaturas recordes nesta semana, com centenas de mortes súbitas relacionadas ao calor.