Foto: Prefeitura de Caucaia

As grávidas e puérperas (que deu à luz a pouco tempo) que possuem alguma comorbidade vão ser incluídas — e priorizadas — na terceira fase da vacinação contra Covid-19 no Ceará, de acordo com Magda Almeida, secretária Executiva de Vigilância e Regulação da Secretaria da Saúde do estado (Sesa). Dentro da mesma fase, porém em momento posterior, a vacina deve chegar às gestantes e mulheres que deram à luz há pouco tempo sem problemas de saúde.

A terceira fase da vacinação, que inclui pessoas com comorbidades, deve começar no Ceará daqui a cerca de duas semanas, também de acordo com a secretária. A inclusão das mulheres com essas condições já estava nos planos do Governo do Ceará, e foi reforçada com a publicação de uma nota técnica do Ministério da Saúde.

“No primeiro momento, serão as gestantes com comorbidade, de qualquer faixa etária. E em um segundo momento, as gestantes independentemente de comorbidade ou não”, explicou Magda. Ela revela ainda que as normas com a logística de todas as comorbidades serão apresentadas nos próximos dias.

A secretária pontua também a diferença da vacinação para o grupo de gestantes. “A gente também tem de entender que a [vacinação das] gestantes vai ficar longitudinal, não vai ficar dependente de fase. A medida que a mulher engravide, ela vai ter o direito de procurar os centros e postos de vacinação para se vacinar”, esclarece Magda.

“É importante que a mulher se vacine porque ela vai estar protegendo tanto ela quanto o bebê de futuras complicações e, principalmente, de um parto prematuro”, alerta a representante da Sesa.

Nova fase da vacinação nas próximas semanas

O Ceará deve avançar para a terceira fase do Plano Nacional de Imunização (PNI) contra a Covid-19 nos próximos 15 dias, de acordo com Magda Almeida. A próxima fase inclui pessoas com comorbidades, grávidas e puérperas. O avanço foi divulgado nesta terça-feira (27).

“Nos próximos 15 dias, o estado do Ceará espera iniciar a terceira fase da vacinação para Covid-19, que é a fase de pessoas com comorbidades. Os municípios que concluírem a primeira e segunda fase na próxima já poderão evoluir para a terceira fase”, explicou Magda.

Ela reforça ainda que é importante que as pessoas estejam cadastradas na plataforma Saúde Digital, colocando em qual categoria de comorbidade se encaixa.

Foco na segunda dose

O Ceará deve reforçar o complemento da vacinação contra a Covid-19 e focar na aplicação da segunda dose (D2), após quase finalizar a aplicação das primeiras doses (D1) distribuídas, de acordo com Magda Almeida. Nesta terça-feira (27), os municípios cearenses já aplicaram 96% das doses D1 distribuídas.

O processo de imunização no Ceará utiliza as vacinas CoronaVac e Oxford/Astrazeneca. “Então, é importante que nesse momento o município avance na vacinação de D2. Não utilize a D2 como D1, como a gente orientou desde o começo”, explica Maga Almeida.

Até esta segunda (26), o Ceará aplicou 1.890.434 doses; sendo 1.282.110 para a D1 e 608.324 para a D2, de acordo com o Vacinômetro da Secretaria da Saúde do estado (Sesa).

Para a secretária, a atenção com o processo de finalização da imunização dos cearenses requer atenção. “Com a irregularidade, e pela fabricação e do envio dessas vacinas, é importante que sempre se resguarde a segunda dose das pessoas para que elas completem a imunização”, complementa Magda.

A secretária ainda faz um alerta àqueles que perderam o prazo previsto para recebimento da segunda dose. “Se você perdeu a imunização dentro do período estipulado que é 28 dias para a CoronaVac e 90 dias para a Astrazeneca, não tem problema. Procure o Município e tome a segunda dose para que a gente complete a imunização do povo cearense”, finaliza Magda.

Com informações do G1 Ceará