NacionalNotícias

Governo planeja mudar regras para destruição de equipamentos apreendidos pelo Ibama

Bolsonaro criticou agentes do Ibama que queimaram carros e equipamentos de suspeitos de crime ambiental em operação contra a extração ilegal de madeira em Rondônia.

O governo Bolsonaro planeja mudar regras para a destruição de equipamentos apreendidos pelo Ibama em operações contra crimes ambientais.

Em um vídeo gravado pelo senador Marcos Rogério, do Democratas, o presidente Jair Bolsonaro falou sobre a operação do Ibama contra a extração ilegal de madeira na floresta nacional do Jamari, em Rondônia. Na operação, agentes queimaram carros e equipamentos dos suspeitos de crime ambiental. Bolsonaro afirmou que foi informado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e criticou a atitude dos agentes

“Ele já mandou abrir um processo administrativo, em primeiro lugar, para apurar realmente a responsabilidade disso aí. Não é para queimar nada, maquinário, trator, caminhão, seja lá o que for. Não é esse o procedimento, não é nossa orientação”, disse Bolsonaro.

Mas um decreto de 2008, que trata de infrações ambientais, autoriza esse tipo de ação. Diz que produtos e instrumentos usados em crime ambiental poderão ser destruídos ou inutilizados quando “a medida for necessária para evitar o seu uso e aproveitamento indevidos nas situações em que o transporte e a guarda forem inviáveis” ou quando “possam expor o meio ambiente a riscos significativos ou comprometer a segurança da população e dos agentes públicos envolvidos na fiscalização”.

O presidente da Associação Nacional dos Servidores Ambientais (Ascema), Denis Rivas, afirmou que a medida só é adotada em casos excepcionais, sempre obedecendo a critérios legais e para evitar que o crime continue sendo praticado.

“Essa prática de destruição dos bens é o último caso que o servidor é obrigado a adotar para interromper a continuidade do crime ambiental. Uma vez que são áreas de muito difícil acesso, os servidores estão expostos a diversos riscos ali na ação de fiscalização e não é uma prática comum”.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, admitiu que o governo que mudar e legislação. Disse que ainda esta semana deve sair uma nova instrução normativa para regulamentar e restringir esse tipo de ação. Mas não deu detalhes sobre a nova norma como, por exemplo, o que será feito com os equipamentos apreendidos na mata.

“Num país em que existem leis e procedimentos, não é possível permitir nenhum grau de arbitrariedade. Portanto é nesse sentido que nós vamos já fazer a revisão dos procedimentos e a edição de uma instrução normativa pelo Ibama”, disse Salles.

O Greenpeace avalia que uma mudança pode levar a um aumento dos desmatamentos na Amazônia.

“Cerca de 2% das operações usam desse expediente apenas quando não é possível fazer a remoção dessas máquinas e equipamentos. Com esse tipo de atitude do presidente, limitando a operação do Ibama, quem ganha é o crime ambiental”, disse Márcio Astrini, do Greenpeace.

Nesta segunda-feira (15) o presidente do ICMBIO, Adalberto Eberhard, pediu demissão do cargo. O Instituto Chico Mendes é responsável pelas unidades de conservação. Há dois dias o ministro Ricardo Salles determinou a abertura de um processo administrativo contra funcionários do instituto porque eles não participaram de um evento que contou com a participação do ministro.

Fonte: G1
Foto: Reprodução

Tags
Exibir Mais

Thaynara Pinheiro

Designer de Moda, trabalha com produção de conteúdo, fotografia, moda, e tem um pé no design gráfico. Sempre disposta a ajudar e a fazer de tudo para os jobs saírem perfeitos. Responsável pela execução e criação de projetos do Portal Siará News e pela produção dos programas Siará Digital e #SEXTOU.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to top button
Abrir Rádio
Fechar