O governo federal anunciou que deseja privatizar os Correios e quer se desfazer 100% do capital da estatal. A informação foi confirmada pelo secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, em entrevista ao jornal O Globo.

A venda será realizada através de um leilão tradicional, onde o comprador levará ativos e passivos da estatal. “Será a venda da empresa inteira, combinada com um contrato de concessão”, explica o secretário especial. O contrato é necessário uma vez que a Constituição determina que a União deve “manter o serviço postal e o correio aéreo nacional”.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, marcou a votação do projeto para a próxima semana, antes do início do recesso parlamentar.

Com a privatização, a Anatel ganha a função de regular os serviços do Sistema Nacional de Serviços Postais. Sua nomenclatura também mudará, passando a se chamar Anacom (Agência Nacional de Comunicações).

“A empresa vai pegar o Brasil inteiro. A gente chegou a avaliar fatiar por região, mas entendemos que para garantir a universalização é preciso ter o subsídio cruzado dentro da própria empresa”, disse Mac Cord ao jornal.

Ainda não há valor previsto para a comprar, segundo o secretário, a intenção é publicar o edital com todas as informações ainda neste ano, com previsão para o mês de dezembro.

Vale ressaltar que em 2020 o faturamento dos Correios foi de R$ 17 bilhões.