Fortaleza pode ficar sem energia devido a sabotagens e furtos de peças | Foto: Reprodução

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) tornou público, nesta segunda-feira (20), um levantamento que mostra que, desde o início deste ano, no Ceará, cerca de 120 torres de transmissão das linhas de transmissão de 230kV e 500kV, têm sendo sistematicamente sabotadas com a retirada de peças metálicas estruturais.

Os dados se referem a equipamentos que interligam Sobral a Fortaleza, no Ceará. O trecho entre Pentecoste e a Capital é o mais atingido.

Apenas nesse trecho, o volume de material retirado é equivalente ao peso de uma torre de transmissão por mês e representa um grande risco de queda de torres e de desabastecimento de energia elétrica para a Capital, Região Metropolitana e cidades interioranas.

Uma torre chegou a tombar na rodovia CE 401, em maio deste ano, após diversas ações de criminosos. A Companhia acionou a polícia estadual, federal e a Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, para acompanhar o caso.

“Essa ação é claramente um ato de sabotagem pois quem está fazendo essa retirada de peças tem experiência com esse tipo de atividade e tem conhecimento que o resultado da ação é a queda de torres de transmissão, como já aconteceu, causando prejuízo a toda sociedade”, disse o diretor de Operação da Chesf, João Henrique Franklin.

Ele afirmou que mais de 20 toneladas de perfis metálicos de 120 estruturas já foram retirados pelos sabotadores, totalizando um prejuízo financeiro de mais de R$ 2 milhões.

Com informações do portal Focus.jor