(Foto: Wandenberg Belém)

Os cuidados com a Covid-19 continuam exigindo adaptações em todos os âmbitos e os cearenses estão procurando novas alternativas possíveis para manter suas atividades de forma responsável. 

O tradicional espetáculo Paixão de Cristo, no entorno da centenária estação ferroviária de Iguatu, no Centro-Sul Cearense, vai virar filme. A produção será exibida em igrejas, capelas e pela internet na sexta-feira santa.

As cenas do filme “Do princípio ao reino sem fim” estão sendo rodadas há alguns dias e trazem locações em pontos diversos da cidade e da área rural – Cruz de Pedra, Cachoeira do Cocobó, rio Jaguaribe, Bugi e na Catedral de São José.

(Foto: Wandenberg Belém)

No ano de 2020, a 15 dias para a Semana Santa, foram decretadas medidas sanitárias de isolamento e suspensão de atividades artísticas, empresariais e de serviços. Os decretos afetaram a apresentação do espetáculo Paixão de Cristo. Com a continuidade da pandemia, os organizadores buscaram uma nova alternativa para não ficar mais um ano sem a apresentação. 

O elenco foi reduzido de 180 para 50 pessoas, isso envolvendo atores e figurantes. Alguns fazem até três papéis para suprir a ausência dos demais. As cenas são gravadas em locais abertos que servem de cenários para o filme. 

“As cenas elas são divididas para ter no dia da gravação só aqueles que vêm para a cena, com todos os cuidados, usando a máscara e só tira na hora de gravar, distanciamento, evitando contato físico”, explica Bibi Lima, diretor e produtor do filme. 

(Foto: Wandenberg Belém)

As gravações são acompanhadas pela vigilância sanitária com a participação mínima de pessoas para evitar aglomerações.

 “O grupo adota os protocolos de segurança e de prevenção”, disse o coordenador da Vigilância Sanitária de Iguatu, Samuel Bezerra. O filme tem o apoio da secretaria de Educação e Cultura de Iguatu.

A ideia de transformar o espetáculo teatral em filme foi corajosa, mas acabou surpreendendo a todos. As locações naturais garantem bela fotografia e dão vida à história da morte e ressurreição de Jesus Cristo. “Está dando tudo certo, com cenários naturais, bem diferentes do fixo”, destaca Marquinhos Santos, decorador. Há dois anos no projeto, ele evidencia “A dedicação de todo o elenco e do grupo técnico para fazer o melhor e emocionar o público”.