Foto/Reprodução: Internet

A partir desta quinta-feira, 18 de fevereiro, até o próximo domingo, 21, o Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa (Festin) acontece pela plataforma de streaming Festin On. O FESTin é um festival de cinema centrado em produções lusófonas e que reúne um diálogo envolvente entre todo o povo português. 


O festival aconteceria no formato presencial, em 2020, no Ceará, no entanto teve de ser adiado em decorrência da Pandemia do Covid 19 que assolou o Estado e o mundo.

O projeto chega à terceira edição do “Festin Ceará“, e apresenta filmes da maioria dos nove países de língua portuguesa: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé & Príncipe, e o Timor Leste.

Toda a programação estará disponível para essas nações, com exceção dos filmes “Avó Dezanove e o Segredo do Soviético”, e “Silêncio, Vozes de Lisboa”. As duas obras não serão transmitidas para Portugal.

Amanhã, 18, às 19h, a programação oficial do evento terá abertura primeiro com a exibição do curta-metragem “Véu de Amani” (2019, Renata Diniz). E, em seguida, o festival segue com a transmissão do documentário em longa-metragem “A Jangada de Welles” (2019), dirigido pelos cearenses Petrus Cariry e Firmino Holanda.

Bruno Monteiro, produtor cultural que está a frente da organização do festival, afirma que o projeto reconhece o “estado assimétrico” que existe entre a produção cinematográfica dos nove países. Com filmes inéditos ou “raramente vistos”, reforça ele, o Festin teve sua primeira edição exibida no Estado no ano de 2016.

O produtor também reflete a exibição da abertura,”A Jangada de Welles”,  e expõe dois processos importantes da história do Brasil. O primeiro é o processo da cinematografia brasileira, em diálogo com a norte-americana. E segundo seria a respeito das reivindicações sociais do povo nordestino, ao retratar a luta dos jangadeiros locais pelos direitos trabalhistas.

“Traz também um fato que foi trágico, né? Que durante as filmagens (do documentário It´s All True, de Welles) houve o fato do sumiço das jangadas (e, em consequência, a morte do líder dos pescadores, Manuel ‘Jacaré’). Pra uma obra cinematográfica, contribui por essa veracidade, e esse cunho de mistério do que realmente ocorreu naquele momento”, analisa Bruno Monteiro.

Programação:

Quinta (18)

19h – Abertura da programação oficial
– Exibição do curta metragem “Véu de Amani” (Brasil, 2019, Renata Diniz)
– Exibição do longa metragem “A Jangada de Welles” (Brasil, 2019, Petrus Cariry e Firmino Holanda)

Sexta (19)
19h – Exibição do curta metragem “A cobra tá a fumar” (Angola, 2019, Nuno Barreto)
– Exibição do curta metragem “A menina do vestido azul” (Cabo Verde, 2019, Ivanildo da Luz)
– Exibição do longa metragem “Avó Dezanove e o Segredo do Soviético” (Moçambique/Portugal/Brasil, João Ribeiro)

Sábado (20)

14h – Webinário: os “Aspectos dos Mercados e da Produção cinematográfica em países de língua portuguesa” na visão dos realizadores independentes. Com Nuno Teixeira (Angola), João Ribeiro (Moçambique), Rodrigo Tavares (Portugal/Brasil), Renata Diniz (Brasil). Mediação: Clébio Viriato Ribeiro (Brasil) e Bruno Monteiro (Brasil). Abertura do secretário da Cultura do Ceará, Fabiano Piúba.

17h – Abertura da programação do ‘Festinha’ com a exibição dos filmes:

A Galinha Ruiva (Brasil, 2019, Irson Jr. e alunos do CMEI Princípio do Saber)
Lá do Alto (Brasil, 2018, Luciano Vidigal)
Nana & Nilo em dia de sol e chuva (Brasil, 2017, Sandro Lopes)
Vivi Lobo e o Quarto Mágico (Brasil, 2019, Isabelle Santos e Edu Mz Camargo)
Zana – O filho da mata (Brasil, 2018, Augustto Gomes)

19h – Exibição do curta metragem “Roupa de Sair” (Brasil, 2019, Amarildo Martins)
– Exibição do media metragem “Os Guerreiros da Rua” (Brasil, 2018, Erickson Marinho)
– Exibição do longa metragem “Silêncio – Vozes de Lisboa” (Portugal/Hungria, 2019, Judit Kalmár e Céline Coste Carlisle)

Domingo (21)

19h – Encerramento
– Exibição do curta metragem “Carnaval Sujo” (Portugal, 2019, José Miguel Moreira)
– Exibição do curta metragem “Transfugo” (Portugal/Brasil, 2019, Rodrigo Tavares)
– Exibição do longa metragem “Rapaz Só” (Portugal, 2019, António Borges Correia)