Foto: Divulgação

A direita conservadora brasileira vem demonstrando que está mais organizada, dispõe de poder de mobilização e está vivendo um momento de apoio popular maior que a esquerda e seus simpatizantes. Aqui no Ceará, o cenário não vem sendo diferente. Nas últimas eleições municipais, novos nomes surgiram e vêm ocupando espaços na Câmara Municipal, um dos destaques foi a eleição do vereador Carmelo Neto com apenas 18 anos. Outro nome que cresceu bastante e segue no segundo mandato é a vereadora Priscila Costa, bem cotada para deputada federal em 2022.

Além dos eleitos em 2020, devemos ficar atentos a outros nomes que cresceram ao fazer parte do governo federal e tem potencial para candidatura, como a Dra. Mayra Pinheiro na Saúde, Cel. Aginaldo na Força Nacional e Lucas Fiuza no Turismo. Mayra e Aginaldo continuam em suas respectivas posições. Fiuza, que é ex-presidente do PSL em Fortaleza e foi nomeado como ministro substituto pelo próprio presidente em novembro de 2020, deixou o cargo de Secretário Nacional de Atração de Investimentos, Parcerias e Concessões do Ministério do Turismo no final de maio sob muitos elogios tanto do meio público como privado. Acredita-se que diante do reconhecimento de seu trabalho e a incontestável lealdade ao presidente , é uma questão de pouco tempo para que seja revelado seu futuro no governo.

O deputado estadual André Fernandes deverá tentar uma cadeira na Câmara dos Deputados e nomes como Alex Ceará, Cely Duarte, Cel. Bezerra, entre outros, também devem compor as candidaturas da direita. O ponto central nas articulações agora, é a definição dos partidos. No Ceará, temos a situação em que partidos grandes da base bolsonarista em Brasília como o PP e PL, ainda têm ligações com o PDT e PT no estado e, em breve, será inevitável a definição sobre quem apoiará quem. Cenas dos próximos capítulos.