Foto: Maryanna Oliveira/Camara dos Deputados

Foi expulso de seu partido Democratas (DEM), o deputado federal Rodrigo Maia, após reunião realizada nesta quinta-feira (14). De acordo com nota que foi divulgada pela legenda, a medida foi tomada por conta de “cometimento de infração disciplinar”. O processo foi relatado pela deputada Professora Dorinha (DEM-TO), e o ex-presidente da Câmara teve amplo direito de defesa garantido.

Já havia uma insatisfação por parte de Maia na legenda, que chegou a solicitar a desfiliação do partido ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmando que estava sofrendo grave descriminação, acrescentando ainda que a legenda havia mudado de posicionamento político, aliando-se ao presidente da república, Jair Bolsonaro (sem partido). O deputado vinha trocando farpas com o presidente do DEM e o prefeito de Salvador, ACM Neto, desde a sua eleição para presidência da Câmara dos Deputados, em fevereiro.

Durante a reta final, o DEM decidiu se manter neutro em relação à disputa entre Baleia Rossi (MDB-SP) e Arthur Lira (PP-AL), ato que acabou frustrando os planos de Maia.

Em revelação ao Correio, Rodrigo Maio afirmou que já esperava pela expulsão e chamou Neto de “Torquemada Neto”, fazendo referência ao inquisidor espanhol Tomás de Torquemada. “Infelizmente não esperava nada diferente do Torquemada Neto”, disse ele. Em suas redes sociais, o deputado criticou a decisão e afirmou que sua expulsão é “lamentável”.

“O DEM decidiu me expulsar de seus quadros. O presidente Torquemada Neto, usando o seu poder para tentar calar as merecidas críticas à sua gestão, tomou essa decisão. É lamentável o caminho imposto pela Torquemada para o partido”, afirmou.

“Não só por isso, mas também pela sua deslealdade e falta de caráter, pedi a minha desfiliação. O partido diminuiu. Virou moeda de troca junto ao governo Bolsonaro. Agora é virar a página e juntar forças para um projeto de desenvolvimento do Brasil e em prol dos brasileiros”, acrescentou.

De acordo com o Código Eleitoral, na Câmara dos Deputados, na qual os deputados são eleitos por meio do voto proporcional, o mandato pertence ao partido. Sendo assim, se Rodrigo Maia solicitasse uma desfiliação ao partido sem a apresentação de uma justificativa ao TSE, perderia o mandato. Uma vez que o mesmo foi expulso, poderá manter-se deputado e filiar-se a outra legenda.

O PSD pode ser um destino provável, pois atraiu, recentemente, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes. De acordo com analistas, há uma tentativa por parte do PSD de construir um forte elenco no Rio para a disputa das eleições de 2021.