Com renda fixa em baixa, investir em construção se tornou alternativa mais atraente para investidores - Foto: Divulgação
Se por um lado a crise gerada pela pandemia afeta gravemente grande parte dos negócios e da população, este não é necessariamente o cenário econômico do mercado imobiliário. O segmento, visto como um “porto seguro” de investimentos, torna-se um verdadeiro “imã” em momentos de crise.
A opção em construção está sendo bastante procurada por conta do reaquecimento da economia. Com os juros favoráveis, se transforma em uma verdadeira janela de oportunidade para realizar ótimos investimentos com altos retornos.
“Mesmo com a Selic subindo, valendo atualmente 6,25% ao ano, a construção desponta por apresentar uma taxa de retorno excelente na retomada das atividades do setor”, ressalta Hygor Guerreiro, diretor da Domus Incorporadora.
O executivo cita o financiamento imobiliário da Caixa Econômica como uma opção para quem quer investir nesse mercado.
“No modelo de financiamento chamado ‘Aquisição de Terreno e Construção’, a Caixa quita o terreno e paga 80% da construção do imóvel, enquanto o investidor precisará apenas pagar 20% do valor de construção através de recursos próprios e as parcelas do financiamento ao término da obra. Para isso, a proposta financeira do investidor é submetida por uma empresa profissional que intermedia o acordo com o banco, cuidando de toda a parte burocrática e construtiva. Nesse sentido, ele consegue levantar recursos para construir sem a necessidade de se descapitalizar”, pontua.
Uma das vantagens dessa modalidade da Caixa são os juros baixos, cerca de 7,5% ao ano. “Muita gente constrói de forma financiada pela Caixa e logo em seguida vende o imóvel, quitando o financiamento e ainda lucrando entre 40% e 50%”, avalia.
Segundo o diretor da Domus, outra facilidade está no pagamento do financiamento de construção. “O prazo máximo de construção é de 24 meses. O investidor não paga a parcela do financiamento enquanto o imóvel não estiver pronto. Portanto, muitas vezes ele acaba vendendo o imóvel antes mesmo de começar a pagar o financiamento”, assegura.