Casos de Miopia Infantil quase triplicam durante a pandemia - Foto: Divulgação
Em uma pesquisa inédita realizada no Brasil pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) revelou que durante a pandemia de COVID-19 os números de casos de crianças que desenvolveram miopia aumentaram nesse período. O estudo realizado com base em informações colhidas com especialista da área, mostrou que 71,9% dos oftalmologistas entrevistados cresceu a quantidade de pacientes com idades de 0 a 19 anos com diagnóstico de miopia. Para 75,6% dos especialistas, essa situação tem como causa principal a exposição das crianças e dos adolescentes às telas dos aparelhos eletrônicos, seja por conta do ensino à distância, seja em atividades de lazer, como assistir televisão ou jogar videogames.
 
O quadro piora no panorama mundial, em um artigo publicado pelo British Journal of Ophtalmology em julho deste ano, elaborado com base em 1.800 crianças, residentes em Hong Kong, mostrou que a incidência nesse grupo mais que duplicou de 11,6% para 29,6%, devido a pandemia. Anteriormente, em janeiro de 2021, outro trabalho publicado pela Journal of the American Medical Association, obteve resultados semelhantes aos de julho. Analisando dados colhidos de 120 mil crianças da China, os pesquisadores constataram que em relação aos cinco anos anteriores, a probabilidade da miopia infantil se desenvolver miopia chegou a triplicar.
 
Porém, a miopia é o transtorno ocular mais comum que existe. Ocorrendo, devido ao alongamento da córnea ou do globo ocular, a luz é focalizada à frente da retina, o que faz com que objetos distantes pareçam desfocados. Com frequência, esse alongamento pode estar ligado a questões genéticas, mas também sendo agravado devido a o uso de telas e outras atividades que forcem o campo visual imediato. Mesmo antes da pandemia o aumento dos casos era preocupante, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) os míopes passaram de 23% da população mundial, para serem em 2020 o percentual de 33%. Nesse ritmo até 2050, metade de todo o mundo será míope.
 
De acordo com o oftalmologista David Almeida: “A miopia ainda pode aumentar a vulnerabilidade do paciente para outras doenças e trazer problemas mais sérios para os olhos, como por exemplo: descolamento de retina, catarata precoce e também e possível retardo no diagnóstico de ectasia corneana (alteração da curvatura da córnea).” 
 
No contexto atual, onde as aulas remotas ainda predominam, e a maior incidência de usar o smartphones por longos períodos, fica um alerta para os pais lidarem com seus filhos:
 
“É imprescindível que o uso de televisão, videogames e smartphones, seja reduzido pelo uso de crianças por um longo período de tempo. A recomendação é reduzir esse tempo diante das telas e buscar atividades externas para prevenir a miopia, por exemplo: a cada uma hora, deve-se mudar o foco visual e mental para outra atividade mais leve por 10 minutos, assim fazendo a musculatura ocular relaxe e diminuir os potenciais riscos aos olhos. E sempre é bom lembrar, busque um oftalmologista quando sentir visão embaçada ou distorcida, além de constantes dores de cabeça”, finaliza o Dr. David Almeida.