Foto - Reprodução

O governador do estado do Ceará, Camilo Santana (PT), expressou sua opinião após o presidente Jair Bolsonaro afirmar nesta quarta-feira (21), em sua página no Facebook, que o Brasil não irá comprar “a vacina da China”. O governador defende que a compra da vacina deve se basear em “critérios unicamente técnicos”.

De acordo com a Agência Brasil, após reunião com governadores ontem (20) o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, assinou um protocolo de intenções para adquirir 46 milhões de doses da vacina CoronaVac, que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

Um dia após anunciar negociação para compra compra de 46 milhões de doses da Coronavac, o presidente afirmou nesta quarta-feira (21), em sua rede social, que o Brasil não irá comprar “a vacina da China”. Algumas horas depois, o Ministério da Saúde disse que “não há intenção de compra de vacinas chinesas” contra a Covid-19.

A Sinovac tem um acordo com o governo de São Paulo para fornecimento da vacina pronta e, também, para a transferência da tecnologia de produção para o Instituto Butantan.