Bolsonaro manda áudio e faz apelo a caminhoneiros para interromper manifestação - Foto: Reprodução

Caminhoneiros realizam manifestações em pelo menos 15 estados, o governo federal se mobilizou na noite desta quarta-feira (8), para tentar parar os protestos. O próprio presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), gravou um áudio e o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, um vídeo para tentar parar os manifestantes.

Além dos atos a favor do presidente, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) atuava para desbloquear os trechos de rodovias em outros Estados onde também foram constatados “pontos de concentração”, com “pautas regionais, indígenas e de produtores locais”, mas sem ligação com o movimento dos caminhoneiros.

Na mensagem, Bolsonaro trata os caminhoneiros como “aliados” e apela para que os manifestantes desobstruam as vias porque “atrapalha nossa economia”.

“Fala para os caminhoneiros aí que são nossos aliados, mas esses bloqueios atrapalham nossa economia. Isso provoca desabastecimento, inflação, prejudica todo mundo, em especial os mais pobres. Dá um toque nos caras aí para liberar. Deixa com a gente em Brasília aqui agora. Não é fácil negociar com outras autoridades, mas vamos fazer nossa parte, vamos buscar uma solução para isso”, afirma o presidente no áudio.

Os bloqueios iniciaram durante as manifestações do 7 de Setembro convocadas por Bolsonaro e seguiram durante o dia. A pauta dos manifestantes é a defesa do governo federal contra o Supremo Tribunal Federal (STF).

Em um vídeo também divulgado na noite da quarta-feira, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, confirma a autenticidade do áudio enviado pelo presidente e reforça o apelo para que liberem as vias.

 

“Esse áudio é real, é de hoje, e mostra a preocupação do presidente com a paralisação dos caminhoneiros. A paralisação ia agravar os efeitos na economia, que ia impactar os mais pobres, os mais vulneráveis. Já temos hoje um efeito no preço dos produtos em função da pandemia”, diz Tarcísio na quarta-feira.

Em nota, o ministério informou que a PRF registrava pontos de concentração em rodovias federais em 15 Estados. São eles: Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Espírito Santo, Mato Grosso, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Tocantins, Rio de Janeiro, Rondônia, Maranhão, Roraima, São Paulo e Pará.