Foto: AFP

A Bolsa de Lima caiu mais de 6% nesta sexta-feira (30) e o dólar ultrapassou os quatro soles pela primeira vez, depois que o novo presidente Pedro Castillo nomeou seu gabinete sem ocupar o cargo de ministro da Fazenda.

O Índice Geral S&P/BVL Peru, o mais representativo da Bolsa de Valores de Lima, caiu 6,24% por volta do meio-dia e o dólar estava sendo negociado a 4,06 soles (o equivalente a 5,35 reais), após fechar a 3,92 soles na terça-feira, antes de dois feriados por festividades nacionais.

O novo presidente de esquerda empossou na quinta-feira seu chefe de gabinete, o parlamentar governista Guido Bellido, e outros 16 ministros, mas ficaram vagas as pastas da Fazenda e Economia e da Justiça.

Não se confirmou a expectativa de que seria nomeado para a Fazenda o economista Pedro Francke, que atuou antes e depois da eleição de 6 de junho como principal assessor financeiro de Castillo.

“Francke se afastou do gabinete por causa de Bellido”, reportou o jornal La República.

De acordo com a mídia peruana, o Ministério Público investigou Bellido por suposta “apologia ao terrorismo”, por declarações em uma entrevista em abril, antes de assumir sua cadeira no Congresso, que lhe concede imunidade.

A nomeação de Bellido, de origem rural como Castillo, “é uma mensagem que polariza”, reagiu o parlamentar de extrema direita Alejandro Cavero, em declarações à rádio RPP de Lima.

O preço do dólar vem subindo no Peru devido à incerteza política desde os dias anteriores ao primeiro turno das eleições em 11 de abril, quando Castillo despontou entre 18 candidatos presidenciais. No final de dezembro, o dólar era negociado a 3,62 soles.

Bellido deve comparecer dentro de um mês ao Congresso – controlado pela oposição – para pedir um voto de confiança ao novo gabinete.

Se rejeitado, Castillo terá que nomear outro primeiro-ministro e reorganizar o gabinete.

Castillo, professor rural de 51 anos, iniciou seu mandato de cinco anos em meio às esperanças e também à preocupação de muitos peruanos que temem uma forte guinada para o socialismo após décadas de políticas liberais.