(Foto: Leah Millis/Reuters)

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, declara na terça-feira (16) que professores e funcionários de escolas deveriam ser preferência, dentro da lista de prioridades, para a vacinação contra a Covid-19.

“Acho que os professores e as pessoas que trabalham nas escolas, no refeitório, e outros, deveriam estar na lista preferencial para receber a vacina”, disse Biden em uma sessão de perguntas do público transmitida pela rede americana CNN.

A sugestão do presidente americano é a mesma definida pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), ainda no final de dezembro do ano passado. No entanto, apenas 28 estados e a capital Washington D.C., começaram a vacinar este grupo.

As prioridades, segundo o CDC, são as seguintes:
  • 1a: trabalhadores da saúde e idosos institucionalizados
  • 1b: trabalhadores essenciais (policiais, bombeiros, agricultores, carteiros, condutores de ônibus, trabalhadores de supermercados e do setor educacional) e idosos acima dos 75 anos
  • 1c: idosos com mais de 65 anos e pessoas, acima dos 16 anos, com comorbidades; além disso, profissionais da construção civil, logística, mídia, energia, saúde e segurança pública.

Apesar de o CDC apresentar as sugestões consideradas ideais, cada estado dos EUA tem a autonomia de desenvolver seu próprio plano baseado nas necessidades de cada um, e a quantidade de vacinas disponíveis.

Biden reforçou a importância de outras medidas para evitar a propagação da Covid-19 com a volta das aulas presencias no país. Como exemplo, ele citou a redução das turmas, e até mesmo o cuidado com o transporte dos alunos.

“Temos que nos certificar que não há aglomerações, até mesmo dentro dos ônibus escolares”, disse o presidente. “Precisamos nos distanciar, com turmas menores, com mais proteção.”