Foto/Reprodução: Internet

Diferente dos adultos, é comum que a Covid-19 se manifeste com mais frequência de forma leve a moderada nas crianças. Mas diante da atual situação, todo cuidado é pouco, principalmente com uma nova cepa circulando no Estado.

O alerta das autoridades de saúde neste momento é que os pais mantenham as crianças saudáveis, de modo que não precisem ir aos hospitais. No entanto, com o início das chuvas no Ceará, pais devem redobrar os cuidados.

“Nessa época chuvosa ocorre um aumento das síndromes respiratórias, por isso é sempre importante manter o contato com o pediatra da criança para que os sintomas de qualquer síndrome não se agravem e ela não necessite ir ao hospital, pois elas ficam vulneráveis a outras patologias”, alerta Renata Nobre, enfermeira obstetra, consultora em amamentação e especialista em cuidados materno-infantil.

Confira outras recomendações da profissional para crianças de 0 a 2 anos.

Bebês até 1 ano

  • É comum que recém-nascidos e bebês levem as mãos à boca, por isso, não deixe ninguém pegar na mão das crianças;
  • Para que outro adulto, que não seja o pai ou a mãe da criança, ter contato com ela, peça para ele fazer o uso da máscara e sempre lavar as mãos com água e sabão antes de segurá-la em seus braços;
  • Evite o contato com outras crianças com alguma síndrome gripal ou que tenha contato com adulto que esteja gripado ou com suspeita de Covid-19;
  • Ao sair, leve sempre lenços de limpeza para a higienização das mãos, caso não tenha acesso a água e sabão;
  • Mulheres que estão amamentando não devem parar a amamentação se apresentar algum sintoma de síndrome gripal ou suspeita de Covid-19 ou caso confirmado. Lave as mãos com água e sabão e use máscaras durante a amamentação, lembrando de manter o ambiente sempre arejado para a circulação do ar. O leite materno é fundamental para a saúde do seu bebê.

Crianças acima de 1 ano

  • Além dos outros mesmos cuidados, inserir outros na rotina, como higienizar sempre os brinquedos com álcool ou hipoclorito;
  • Evitar locais aglomerados;
  • Higienizar sempre as mãos da criança com água e sabão, mas quando não for possível, utilizar o álcool a 70%.

    “Lembrando sempre que em crianças o uso do álcool deve ser em pouca quantidade e deve-se certificar que o álcool tenha sido absolvido pela pele (que esteja seca), pois a pele da criança é sensível e pode apresentar irritações”, alerta Renata Nobre.

  • Se possível, evitar o contato direto com idosos, mas caso seja inevitável, o recomendado é que os avós sempre estejam de máscaras, realizando a troca da máscara a cada 2 horas e higienizando sempre as mãos com água e sabão.
  • Para sinais como febre acima de 38°C ou desconforto respiratório com batimentos de asa de nariz procure emergência.

     “Lembrando que ao surgimento de algum sintoma, os pais devem contactar sempre o pediatra que já faz acompanhamento da criança”, recomenta Renata Nobre.

    Com informações do Diário do Nordeste.