Riad (Arábia Saudita) (AFP) – A Arábia Saudita, maior produtor de petróleo do mundo, deseja alcançar a neutralidade de carbono até 2060, anunciou neste sábado (23) o príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman, a poucos dias do início da COP26, a reunião de cúpula mundial do clima, na Escócia.”Anuncio hoje (sábado) a meta de zero emissões por parte da Arábia Saudita até 2060, graças a uma estratégia de economia circular de carbono”, declarou o príncipe, que participa no fórum sobre o meio ambiente “Saudi Green Initiative”.O reino, um dos maiores poluentes do mundo, também deseja aderir aos esforços internacionais para reduzir as emissões de metano em 30% até 2030. Um comunicado afirma que o país adota este objetivo “como parte de seu compromisso para alcançar um futuro mais limpo e mais verde”.”Me sinto honrado de anunciar estas iniciativas no setor energético que reduzirão as emissões de carbono em 278 milhões de toneladas anuais até 2030, o que praticamente dobra nossos objetivos anunciados até agora”, afirmou o príncipe herdeiro.Os anúncios foram feitos um dia depois de o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, afirmar que a situação climática atual é “uma passagem para o desastre” e ressaltar a necessidade de “evitar um fracasso” na COP26, que começará em Glasgow em 31 de outubro.Em março, a Arábia Saudita iniciou uma campanha para limitar a mudança climática e reduzir as emissões poluentes, que incluía por exemplo a plantação de milhões de árvores nas próximas décadas.O país, líder da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), deseja ter metade da energia procedente de fontes renováveis até 2030, anunciaram na ocasião as autoridades.A Arábia Saudita usa atualmente petróleo e gás natural para responder a sua própria demanda de energia elétrica, que cresce rapidamente, e para dessalinizar sua água.Paralelamente, a empresa Saudi Aramco, a galinha dos ovos de ouro do reino, é examinada com lupa pelos investidores no que diz respeito às emissões poluentes.