A health worker manipulates a dose of the Coronavac vaccine at a drive through vaccination center at the Sambodrome Rio Carnival venue, in Rio de Janeiro, Brazil, on February 6, 2021. - Brazil's regulators gave conditional approval for Sinovac Biotech Ltdís shot, CoronaVac, clearing the way for general use. Elderly and at risk members of the population have been given priority. (Photo by CARL DE SOUZA / AFP)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou o recolhimento de alguns lotes da vacina CoronaVac, contra a covid-19, que foram interditados após constatação de que “dados apresentados pelo laboratório não comprovam a realização do envase da vacina em condições satisfatórias de boas práticas de fabricação”.

A determinação foi divulgada nesta quarta-feira (22) por meio da Resolução (RE) 3.609, que determinou o recolhimento dos lotes da CoronaVac que já haviam sido interditados de forma cautelar pela Resolução (RE) 3.425, de 4 de setembro de 2021.

No dia 3 de setembro, a agência foi comunicada pelo Instituto Butantan que o parceiro na fabricação vacina CoronaVac, o laboratório Sinovac, havia enviado para o Brasil 25 lotes na apresentação frasco-ampola (monodose e duas doses), totalizando 12.113.934 doses, que foram envasados em instalações não inspecionadas pela Anvisa.