(Foto: Divulgação/ Hard Rock Hotel)

A omissão de um processo de reintegração de posse pelos antigos proprietários do terreno onde está sendo construído o Hard Rock Hotel Fortaleza é o centro de desentendimento judicial que envolve o empreendimento, aponta a Venture Capital Investimentos (VCI), detentora da marca no País. Parte da área vendida ao grupo é alvo de disputa na Justiça.

Enquanto a Fortalisboa Promoção Imobiliária LTDA, antiga dona do terreno de 178.701,61 m2 na praia de Lagoinha cobra a quitação do saldo de R$ 61 milhões pela venda do terreno à VCI, o grupo investidor alega que a empresa omitiu a existência de um processo de reintegração de posse de área do empreendimento, o que motivou o corte dos pagamentos até que a situação se resolvesse, segundo aponta o advogado da VCI, Rodrigo Maia. 

“Quando o imóvel foi vendido (pela Fortalisboa para a VCI), foi garantido que não havia qualquer discussão sobre o imóvel. Inclusive, esse é o motivo da paralisação do fluxo de pagamentos. Meses depois nós descobrimos que havia uma ação de reintegração de posse contra a Fortalisboa, inclusive a Fortalisboa já estava dentro do processo, já tinha sido citada. Ou seja, nesse momento, ela agiu de má fé e futuramente pode ser responsabilizada por isso”.

Por consequência, o fluxo de pagamentos das parcelas foi interrompido pela VCI, mais tarde garantido por cartas fiança emitidas com uma instituição financeira no âmbito da Justiça de São Paulo. Os valores remanescentes serão pagos, segundo a VCI, quando a ação possessória for definitivamente resolvida pela Fortalisboa.