Foto: Pixabay

Com a crise causada pela covid-19 no mundo, as famílias têm enfrentado o sentimento de medo de que seus parentes acabem adoecendo. É inegável o impacto da pandemia na rotina e no bem-estar dos cidadãos, pais idosos, filhos e mulheres grávidas têm vivenciado esta realidade.

Uma pesquisa apresentada pela área de Inteligência de Mercado do Grupo Abril entrevistou 4.693 entre homens e mulheres de todas as regiões do país e mostrou que 86% do público já enfrenta alguma dificuldade no dia a dia.

Incapacidade de relaxar, pressão em relação às finanças e medo dos familiares adoecerem são os espinhos mais frequentes e dolorosos. Quem está ansioso pode ter esse medo maior, que passa a interpretar de outras formas, tendo um medo que leva ao pânico.

Elaine de Tomy, psicanalista  do Instituto Revoar, orienta que ter uma rotina incluindo atividades prazerosas, momentos de cultivo a espiritualidade no lar, atividades de descontração, atividades físicas e um planejamento semanal podem ajudar bastante. Evitar falar sobre notícias negativas vistas nos meios digitais e tv e seguir com os cuidados em casa e ao sair são maneiras fundamentais de se preservar.

“Procure sempre informações em fontes mais confiáveis, sites das secretarias da saúde, OMS, BBC e outros. Busque incentivar seus entes queridos a se cuidarem e sempre conversar sobre assuntos positivos. Caso seja uma situação mais complicada, busque ajuda de um profissional para diminuir o estresse ou sobrecarga”, comenta Elaine de Tomy.

Sobre Elaine de Tomy

Elaine de Tomy | Foto: Divulgação

Filósofa, psicanalista e vice-presidente do Instituto Revoar

Sobre o Instituto Revoar

O Instituto Revoar, braço social da Rede Memorial Fortaleza. Revoar vem do significado tornar a voar, voltar voando, que é associado a leveza e descoberta, e simbolicamente, ajuda as pessoas a se renovarem e se contactar com o mundo novamente.