Paris (AFP) – O levantamento pelos Estados Unidos das restrições de viagem para pessoas vacinadas contra a covid-19 é uma “notícia fantástica”, esperada há “mais de um ano e meio”, afirmou o diretor-executivo da Air France-KLM nesta segunda-feira (20).Antes da pandemia de coronavírus, o grupo aéreo franco-holandês realizava 40% de seu volume de negócios nas rotas do Atlântico Norte, destacou Benjamin Smith em entrevista à AFP.Como o resto do setor aéreo, a Air France-KLM foi duramente afetada pela crise de saúde. O grupo perdeu mais de 10 bilhões de euros (11,7 bilhões de dólares) desde 2020 e precisou ser recapitalizado com a ajuda do Estado francês.A Air France e a KLM, empresas europeias históricas como a British Airways e a Lufthansa, são especialistas em viagens de longa distância e têm sido particularmente afetadas pelas restrições de viagens aos continentes americano e asiático.É por isso que nesta segunda-feira o sinal verde de Washington para a retomada das viagens a partir de novembro, sob certas condições, constitui “uma notícia fantástica para nosso grupo, para ambas as companhias aéreas: é o nosso mercado mais importante”, acrescentou Smith, que prevê melhorias em seus resultados.”Esperamos por isso por mais de um ano e meio”, disse ele.Para ele, há uma “demanda latente” de viagens, que pode ou não ser mantida ao longo do tempo. Porém, tem “100%” de certeza de que o anúncio americano impulsionará as compras de passagens.“Cada vez que as restrições são retiradas ao redor do mundo, vemos um aumento nas reservas”, explicou.