O consumo de moda se desenvolveu em vigor após a Segunda Guerra Mundial, pois nesse período, as  mulheres começaram a procurar as revistas e se deslocarem das fábricas às vitrines de lojas, retomando seus cuidados com a beleza e autoestima.

 Além disso, a década de 90 trouxe um novo avanço tecnológico diretamente responsável pelo o crescimento do mercado mundial de moda: A Internet. A criação dessa nova rede de comunicação, causou mudanças radicais no comportamento do consumidor, em razão da maior possibilidade de sondagem do marketing, uma vez que o meio de sociabilidade supracitado, transformou a forma como as pessoas se comunicam. 

 Dessa forma, as pessoas, especialmente os consumidores de moda, estão revelando cada vez mais a necessidade de compartilhamento de informações, ou seja, estão cada vez mais atentos as fotos, os conteúdos que as marcas produzem, as avaliações dos consumidores, para somente após a captura dessas referências, ser impulsionado a comprar ou não, isto é, desempenhando um papel de cliente atuante e não somente comprador do produto. 

Nesse sentido, o surgimento da internet construiu uma linha de evolução no mercado de moda, através das mídias sociais que gerou o novo comércio online, também devido a gestão de tempo das pessoas que no contexto atual está cada vez menor, revolucionando a forma como os indivíduos consomem e interagem nos meios, pelos blogs de moda, instagram, twitter, entre outros. 

Portanto, o mundo da moda tornou-se um fenômeno social muito importante, pois através do desenvolvimento tecnológico, a moda deixou de ser um círculo fechado ditado pelos os ícones fashions, e passou a ser um mercado de relacionamento entre o público, marcas e grifes, assim como diz Richard Jaffe, analista de ações de varejo, no livro Dominando a Passarela – Como as Celebridades Ofuscaram os Estilistas no Mundo da Moda, “Grifes importam mais do que nunca. O consumidor percebe mais valor, qualidade e status com a amplificação da comunicação em rede”.

Com informações do jornal O Estado de S. Paulo, revista Isto é e artigo do 14° Colóquio de Moda – A influência das mídias sociais no consumo de Moda.

Foto: Reprodução/Internet