CearáEducaçãoFortalezaNotícias

Três candidatos disputam reitoria da UFC

Consulta pública com alunos, servidores e docentes acontece no dia 8 de maio. Resultado é submetido ao presidente da República

Foram homologadas na última quarta-feira, 3, as chapas que irão concorrer à reitoria da Universidade Federal do Ceará (UFC). Três professores se candidataram: Antonio Gomes de Souza Filho, atual pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UFC, Custódio Luís Silva de Almeida, atual vice-reitor da UFC e José Cândido Lustosa Bittencourt de Albuquerque, atual diretor da Faculdade de Direito. Consulta pública com alunos, servidores e discentes está marcada para o dia 8 de maio. Lista tríplice será encaminhada ao presidente Jair Bolsonaro para que ele escolha um dos nomes.

Conforme o presidente da comissão eleitoral central da UFC, Haroldo César, a escolha do reitor ocorre dessa forma há pelo menos 20 anos. A votação realizada não é paritária, tendo proporcionalmente docentes 70% do peso no cálculo final e os demais consultados 15%. “Se nós considerarmos o número de alunos da instituição, a participação é pequena”, destaca. O voto não é obrigatório para nenhuma das categorias consultadas.

O processo em que alunos, servidores e docentes participam não é considerado uma eleição, mas sim uma consulta pública. Com base nas preferências votadas, o Conselho Universitário (Consuni) da UFC elabora a lista tríplice com três indicados na ordem de relevância. “O conselho universitário tem autonomia para definir os nomes a serem enviados. Quase sempre atende aos indicados, mas é relativo”, ressalta. Documento é encaminhado a Brasília e o Presidente da República escolhe quem será o reitor, independente do resultado das urnas. Consuni se reunirá no dia 20 de maio para elaboração da lista tríplice

Haroldo pontua que, historicamente, o reitor escolhido pela presidência é o que figura como primeiro na lista tríplice. Já houve casos, porém, em que o presidente não obedeceu a lista. O atual reitor, Henry Campos, termina seu mandato no dia 6 de agosto, devendo tomar posse o reitor eleito logo após.

O processo de consulta à comunidade universitária é regido pela Portaria nº 01, de 3 de abril de 2019, aprovada pela comissão eleitoral. De acordo com o documento, a propaganda dos candidatos será permitida até 48 horas antes do início da realização da consulta em todas as unidades acadêmicas da UFC.

Conheça os candidatos:

Antônio Gomes Filho
Antônio Gomes Filho é físico e atua na área de nanociência e nanotecnologia. Sua trajetória foi iniciada na UFC em 1993, quando ingressou como aluno da graduação. Após mestrado e doutorado, tornou-se professor da universidade em 2005. Já foi coordenador de curso e pró-reitor de pesquisa e pós-graduação. Para ele, as dificuldades operacionais e de infraestrutura são os principais entraves da instituição.

Antônio considera que a atual gestão realizou avanços e estabeleceu práticas e programas estruturantes para os próximos anos. Porém, não considera que seu mandato, caso eleito, seja apenas uma continuação. “Nosso mandato não será uma mera sequência da atual gestão, mas aproveitará os avanços consolidados para dar o próximo passo no sentido de ter uma universidade cada vez mais inovadora, interiorizada e internacionalizada”, declara.

Para ele, o foco deve estar na inovação do ensino de graduação e pós-graduação, na inserção mundial da pesquisa, na promoção das pessoas, na cultura artística e no desporto universitário, na interiorização, na requalificação da estrutura física e na adoção de uma gestão por competências, baseada em metas, resultados e responsabilidade fiscal.

Ele destaca a gratidão à UFC e às políticas públicas de assistência estudantil que o permitiram seguir nos estudos, saindo da zona rural do Ceará e conseguindo alcançar repercussão internacional em pesquisas realizadas por ele e por colegas de curso. “Minha candidatura tem como objetivo consolidar a reputação social conquistada pela UFC como valiosíssimo patrimônio científico e cultural do povo cearense”, afirma.

Cândido Albuquerque
Quase toda a trajetória estudantil e profissional de José Cândido Lustosa Bittencourt de Albuquerque foi traçada dentro da UFC. Piauiense, o atual diretor da Faculdade de Direito veio para o Ceará para estudar na UFC em 1977. Mestrado, doutorado e especialização foram feitos na federal cearense, apenas a livre docência foi feita na Universidade do Vale do Acaraú (UVA).

“Minha história na faculdade de Direito é que me credencia a ser reitor, era nota 3 no MEC e elevei a 5. A faculdade de Direito é um exemplo”, diz. Ele afirma que trará mudança à universidade, atuando, principalmente, no planejamento estratégico e na modernização. “Nós precisamos modernizar nossa universidade para dar novas habilidades. O mercado de trabalho está em permanente modificação e nós não estamos acompanhando, precisamos acompanhar”, destaca.

Ele critica obras paralisadas na UFC e coloca como prioridade criar um planejamento para a conclusão de todas de acordo com a ordem de necessidade. “Nós vamos herdar uma universidade com muitas obras inacabadas. A partir de agosto vamos fazer um planejamento para conclusão das obras e mobilização dos projetos de pesquisa e extensão”, prevê. Entre os planos, está a criação de uma pró-reitoria de inovação e de uma pró-reitoria ou secretaria de empreendedorismo.

Cândido se coloca como uma opção “completamente diferente” à linha seguida atualmente por Henry Campos. “Hoje a UFC tem o mesmo grupo administrando há 12 anos. É uma ruptura”, considera.

Custódio Almeida
Atual vice-reitor da UFC, Custódio Luís Silva de Almeida não deixou de lecionar mesmo quando começou a tomar para si cargos administrativos, há doze anos. “A minha história na universidade é uma história que, na minha opinião, me credencia nessa candidatura”, resume. Ele conta que esteve presente principalmente na interiorização dos campus da UFC, tendo ajudado a consolidar os campus do Cariri, Sobral e Quixadá. Isso e a internacionalização da universidade devem ser seus focos, caso reitor.

Custódio entrou na universidade inicialmente como professor de sociologia e atualmente leciona no curso de filosofia. Ele já passou por cargos como coordenador de curso, chefe de departamento, diretor de unidade acadêmica, pró-reitor até chegar no atual, vice-reitor. “Para mim é um passo natural, tenho uma base de apoio sólida em toda a universidade. Para mim, é um indicativo de que eu estou pleiteando de forma madura, responsável, o cargo de reitor da UFC”, declara.

Seu programa, disponível no site custodioreitor.com.br, conta com 12 diretrizes. Segundo ele, não há nenhuma mais importante e todas são interdependentes, precisando ser trabalhadas de forma conjunta. “Todas elas precisam se comunicar, caminhar juntas para a gente fazer da UFC uma universidade cada vez melhor, cada vez maior”, destaca.

Apesar de ser vice-reitor, não é um candidato apoiado por Henry Campos e pretende, caso eleito, alterar a linha de atuação. “A gente tem muitas mudanças a fazer, principalmente agilizar processos que são morosos, mudar processos de gestão, voltados para mais resultados”, diz. “Queremos excelência extensiva para muitos e não para poucos. Difícil é fazer excelência para muitos”.

Fonte: OPOVO
Foto: Reprodução

Tags
Exibir Mais

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Abrir Rádio
Fechar
Fechar