Questionado pela AFP, o serviço de imprensa de Tóquio-2020 não estava imediatamente disponível para uma reação às palavras de Mori | Foto: AFP

O presidente do comitê organizador dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, Yoshiro Mori, estaria disposto a renunciar devido aos comentários sexistas que provocaram indignação no Japão e no exterior, informou a imprensa japonesa nesta quinta-feira (11).

Vários meios de comunicação japoneses, citando fontes anônimas, afirmaram que Mori, de 83 anos, disse que pretende renunciar e anunciará isso em uma reunião dos organizadores das Olimpíadas na sexta-feira (12).

O serviço de imprensa Tóquio-2020 não estava imediatamente disponível para comentar esta informação.

Na semana passada, Mori, um ex-primeiro-ministro japonês, declarou que as mulheres falavam muito durante reuniões de conselhos administrativos, o que para ele era “irritante”.

Ele desculpou-se desajeitadamente no dia seguinte durante uma entrevista coletiva, mas excluiu a ideia de renunciar.

Isso produziu uma avalanche de críticas no Japão e no exterior. Até mesmo os patrocinadores dos Jogos Olímpicos, normalmente discretos, afirmaram que os comentários de Mori eram contrários ao espírito olímpico.

Na terça-feira, o Comitê Olímpico Internacional (COI), que havia considerado o assunto encerrado após as desculpas de Mori, também acabou por julgar as palavras como “absolutamente inadequadas”.

Reunião de crise

Este escândalo representa um novo obstáculo para os organizadores das Olimpíadas Tóquio-2020, que buscam recuperar o entusiasmo pelos Jogos (23 de julho a 8 de agosto de 2021), adiados no ano passado por conta da pandemia de coronavírus, quando o contexto global da saúde ainda é preocupante.

Atletas como a estrela do tênis feminino japonês Naomi Osaka, voluntários olímpicos, membros da oposição parlamentar no Japão e diplomatas protestaram nos últimos dias após o caso Mori.

A prefeita de Tóquio, Yuriko Koike, também aumentou a pressão na quarta-feira ao anunciar que não compareceria a uma reunião com todos os interessados nos Jogos Olímpicos, marcada para o final deste mês.

Um abaixo-assinado lançado há uma semana pedindo aos organizadores olímpicos que não fiquem de braços cruzados já superava mais de 146.000 assinaturas nesta quinta.

Os organizadores devem se reunir na sexta-feira para “expressar sua opinião sobre as declarações de Mori” e discutir “iniciativas futuras” sobre igualdade de gênero, de acordo com um comunicado divulgado na quarta-feira.

Segundo os canais de televisão japoneses TBS e NTV, o ex-jogador de futebol Saburo Kawabuchi, de 84 anos, pode ser nomeado substituto de Mori.

Kawabuchi desempenhou um papel fundamental na década de 1990 no desenvolvimento do futebol profissional e na popularização desse esporte no Japão.

Atualmente, ele também ocupa o cargo simbólico de prefeito da Vila Olímpica de Tóquio-2020.

Foto: AFP